Publicado em 4/09/2013 as 12:00am

Brasileiro destaca-se como empresário em Boston (MA)

Brasileiro destaca-se como empresário em Boston (MA)

da redação

O brasileiro Euz Azevedo, 33 anos, que chegou aos Estados Unidos quando tinha 15 anos de idade, tornou-se uma referência na cidade de Boston (Massachusetts). As duas bombas que explodiram durante a Maratona de Boston, dia 15 de abril, estavam próximos ao seu restaurante – o Forum. depois disso, ele foi se destacando e o local virou um marco na luta contra a violência.

Euz também se tornou um símbolo na luta contra a violência, depois que prometeu reabrir o local o mais rápido possível. Ele que se mudou para os EUA em busca de concluir a faculdade, acabou se apaixonando por Boston e decidiu investir na cidade. O brasileiro faz parte de um grupo importante que que está mudando o perfil de Boston. Ao lado de outros empresários imigrantes, a cidade está sendo remodelada.

O brasileiro mergulhou fundo nos negócios e tem um visto de investidor, possuindo três outros estabelecimentos comerciais além do Fórum, que reabriu no início do mês.

Felizmente para Azevedo, sua família tinha meios para ajudar-lhe a iniciar o negócio. Mas ele não sabia nada sobre o assunto e sua carreira foi construída através de muito estudo, erros e acertos e pura determinação. Euz trabalhou no Faneuil Hall bar , The Tap, que ele comprou e fazia 110 horas por semana, durante quatro meses. “Eu dormia às 3h30 e acordava às 7h”, conta.

Em um ano, ele dobrou a sua receita e logo tinha comprado uma pizzaria na Cambridge Street, que se tornou a Griddler’s Burgers & Dogs. Pouco tempo depois, ele se viu olhando para o antigo espaço Icarus no South End, onde iniciou o Noche, que teve uma breve vida e logo fechou. Mas ele pretende abrir, até o final do ano o Blind Tiger.

Quando ele abriu o Forum, em 2011, foi uma luta muito grande para dar certo. Mas este ano, saindo de um inverno com neve , ele estava ansioso para a temporada de primavera vibrante. Mas aconteceu o ato terrorista da Maratona de Boston que o prejudicou muito. Após quatro meses , e sem um centavo de seguros, Azevedo reabriu o espaço com muita determinação.

O brasileiro explica que não queria abrir o local para trazer lembranças do atentado e não quer que as pessoas frequente o espaço para lembrar coisas tristes. “Quero uma vibe positiva”, fala ressaltando que manteve sete funcionários assalariados na folha de pagamento durante os meses que o local ficou fechado.

O brasileiro conta que tem como inspiração o seu pai, um engenheiro bem sucedido na Venezuela. “Ele sabe que não há melhor professor do que a experiência. Você jamais lerá sobre isso em um livro escolar. É preciso experimentar para aprender. É preciso ser humilde e reconhecer as falhas para crescer”, disse.

Euz é uma pessoa de fala mansa mas com uma feroz ambição por crescer no mundo dos negócios. “” Eu quero abrir hotéis e ter restaurantes em casinos, navios de cruzeiro”, disse. Um dos planos do brasileiro é abrir uma piscina em Boston com um piso inferior que se eleva tornando-se uma pista de dança. “Vou abrir uma piscina em Boston e vai ser apenas os adultos, não crianças e vai ser estilo brasileiro”, conclui.

Fonte: Brazilian Times