Publicado em 6/09/2013 as 12:00am

Brasileiro é estuprado por compatriota em acampamento em MA

Brasileiro é estuprado por compatriota em acampamento em MA

da redação

Nos dias 24 e 25 de Agosto, cerca de 160 atletas de várias equipes de futebol estiveram em um acampamento na cidade de Otis (Massachusetts). Entre eles estava uma equipe de futebol júnior da High School de Somerville (MA), a qual é formada em sua maioria por filhos de brasileiros. O que era para ser um final de semana para descansar, fazer amigos e treinar, tornou-se um pesadelo na vida de alguns jovens.

Segundo as informações, três jovens veteranos do time invadiram um local onde estavam alguns calouros e realizaram o que eles chamavam de “iniciação ao time”. O problema é que levaram a brincadeira longe demais e acabaram estuprando um dos atletas.

Um dos acusados, Galileo Mondol, de 17 anos de idade, está preso e na terça-feira (03), enfrentou uma audiência onde alegou ser inocente das acusações. Os outros dois suspeitos não tiveram os nomes revelados por serem menores de idade.

Uma fonte que pediu para omitir o seu nome por ser amiga da família de um dos acusados, contou ao Brazilian Times que dois dos suspeitos e a vítima são brasileiros. “Eu fiquei sabendo de quase tudo porque frequento o mesmo ambiente de amigos que eles”, explica ressaltando que um dos réus está vivendo ilegalmente nos Estados Unidos.

Ela mostrou a sua indignação porque os pais assinaram um documento permitindo que os filhos participassem deste acampamento confiando que haverá uma supervisão total. “Ledo engano, pois as crianças foram deixadas de lado pelo que parece”, disse. “Os pais destes alunos deveriam processar a Cidade Somerville pelo erro cometido”, continua.

Quanto ao caso de estupro, ela acredita que entre os acusado, Galileo será o mais prejudicado, pois está com sua foto e nome expostos na mídia. “os outros dois são menores e estão protegidos pela Justiça”, cita.

 

O CRIME

Os três rapazes entraram no local onde estavam os calouros e escolheram a vítima, que é um brasileiro. O acusado, também brasileiro, mandou que o adolescente ficasse de quatro e começou a estuprá-lo com um cabo de vassoura. Os outros dois ficaram olhando, mas logo entraram na “brincadeira”.

Depois do estupro cometido, eles tentaram atacar outra vítima, mas ela conseguiu se defender e não foi estuprada também. Uma das testemunhas ameaçou contar tudo o que viu para os diretores, mas foi ameaçada por Galileo.

O brasileiro que sofreu a agressão ficou por horas chorando e sangrando em um banheiro do acampamento.

Advogado de defesa de Mondol , William Korman, disse que seu cliente estava “no lugar errado na hora errada” e tentou acabar com as agressões. Ele pediu 10 mil dólares de fiança em dinheiro, o que foi rejeitado pelo magistrado. Nesta sexta-feira (06), haverá uma nova audiência sobre o caso.

Fonte: Brazilian Times