Publicado em 11/09/2013 as 12:00am

Reforma da imigração vai para o fim da fila

Reforma da imigração vai para o fim da fila

da redação

O Congresso deverá adiar o debate sobre a reforma imigratória para o fim do ano, se não para mais para frente, mesmo em um momento em que grupos de ativistas estão planejando uma campanha para que milhões de imigrantes indocumentados no país consigam o caminho para a cidadania.

O republicano Raúl Labrador acredita que a crise da Síria e a discussão sobre o teto da dívida deverão ser os principais fatores que atrasarão o debate.

Na Câmara, onde muitos republicanos veem o projeto aprovado pelo Senado muito bondoso com os imigrantes que estão quebrando as leis, o recesso legislativo de verão fez muito pouco para levantar o entusiasmo para uma ação imediata. Eles dizem, ainda, que a imigração está no fim da fila e não deve vir à votação tão cedo.

No dia 8, Labrador também garantiu que se não for alcançado um acordo sobre a reforma imigratória, seria preciso esperar até 2015, devido às eleições legislativas de 2014. As informações são da agência “Efe” e do “New York Times”.

“São coisas que temos que fazer de maneira imediata. E infelizmente acho que vão atrasar o debate sobre imigração”, disse o republicano, representante do estado de Idaho, ao programa da emissora “Al Punto”, da emissora de televisão “Univisión”.

 

Ativistas frustrados

O abismo entre as expectativas dos defensores e a realidade que eles enfrentam em Washington está aumentando a cada dia.

“Acreditamos que eles podem andar e mascar chiclete ao mesmo tempo”, disse Eliseo Medina, que lidera a campanha de imigração para o Service Employees International Union, referindo-se aos membros do Congresso. “Quanto mais demora , pior será para eles”.

Ao longo de agosto, os grupos pró-imigrantes organizaram centenas de visitas a escritórios do Congresso, reuniões formais, vigílias, passeatas e comícios, criando um zumbido constante nos distritos de muitos legisladores da Câmara, especialmente republicanos. No dia 4, ativistas entregaram 600 mil petições ao gabinete de West Chester, em Ohio, do porta-voz do deputado John A. Boehner, à moda antiga, em dezenas de pilhas de papéis assinados. No dia 8, os padres católicos em todo o país pregaram pela reforma da imigração.

Organizações planejam uma mobilização com comícios em pelo menos 40 cidades, no dia 5 de outubro, seguida por uma passeata e comício em Washington, no dia 8 de outubro.

Convencidos de que a maioria na Câmara é pró-legislação, eles vão pressionar por Boehner para permitir a votação antes do final do ano. Líderes disseram que o debate na Síria e a luta fiscal não devem tornar-se “desculpas” para anular a imigração .

“Nós não controlamos o tempo. O que fazemos é controlar a pressão” , disse Medina, um líder trabalhista. “Eles vão conseguir este feito quando a pressão for tão grande que eles terão que agir”.

Fonte: Brazilian Times