Publicado em 27/09/2013 as 12:00am

Brasileiro é acusado de espancar amigo em Framingham (MA)

Brasileiro é acusado de espancar amigo em Framingham (MA)

da redação

Um brasileiro que mora em Framingham (Massachusetts) espancou brutalmente um amigo, usando uma mangueira de alta pressão de metal. A agressão aconteceu na terça-feira (26) depois de uma discussão sobre dinheiro. A informação foi passada pelo Promotoria de Justiça da cidade.

Segundo o promotor Emily Walsh,  André Neto, de 43 anos , bateu muito na vítima, deixando-a com tantas contusões e inchaços no rosto, que precisou ser levada ao hospital e receber pontos para fechar uma ferida na testa.

Walsh explicou que a vítima cobrou de Neto um dinheiro que havia lhe emprestado. O acusado teria dito que pagaria a dívida com trabalho e que, por alguns dias, faria serviço braçal para ele. Os dois discutiram e Neto empurrou começou a agredi-lo. "A suposta vítima estava tentando chamar a polícia quando, naquele momento, Neto a golpeou por trás com uma ferramenta", disse Walsh.

O promotor ressaltou que a vítima caiu ao chão e Neto continuou a bater. Quando a polícia chegou , o homem estava coberto de sangue. Em seguida foi levado ao MetroWest Medical Center, em Framingham . "Os ferimentos eram muito graves", disse Walsh.

Neto negou as acusações e disse que ela é a vítima deste caso. Ele apontou para uma mancha em sua mão, onde alegou que seu amigo o acertou. Mas Walsh disse que a polícia não viu nenhum ferimentos no agressor.

A polícia acusou Neto, que mora no 246 Winthrop Street, de com agressão, lesão corporal e ataque com arma perigosa. Walsh pediu ao juiz para manter o acusado preso sem direito a fiança, enquanto se aguarda uma audiência para determinar se ele é um perigo para a sociedade.

O advogado de Neto, Cornelius Dailey Jr., argumentou que a briga começou porque a vítima não podia esperar até quarta-feira para receber o dinheiro. Ele disse que a vítima tentou bater em Neto e os dois caíram ao chão iniciando a briga.

O juiz Robert Greco liberou Neto, que está com uma pulseira de monitoramento GPS para garantir que ele não chegue perto da suposta vítima.

Fonte: Brazilian Times