Publicado em 9/10/2013 as 12:00am

Time de propriedade de brasileiro sonha com a MLS

Processo movido por brasileiro contra policial de Framingham é arquivado

Orlando City Soccer, que é de propriedade de um brazuca, sonha com a MLS

 

da redação

A ideia de tornar o Orlando City Soccer, clube atualmente da USL (espécie de terceiro escalão do futebol nos Estados Unidos), em um dos grandes do país e querido no Brasil está perto de se tornar realidade. Praticamente ao mesmo tempo, a página do time no Facebook apenas para o Brasil atingiu 100 mil fãs, e o clube se aproximou ainda mais de estar na Liga Profissional (MLS).

O Orlando foi comprado  no início deste ano pelo empresário Flávio Augusto da Silva (fundador da rede de escolas de inglês, Wise Up, patrocinadora da Copa do Mundo FIFA 2014), e desde então, ele começou a ter exatamente estas duas ideias. Para entrar na MLS, é preciso ter um estádio e comprar um franquia. Todo esse projeto é avaliado em US$ 160 milhões de investimentos. Com a ideia ainda de levar um craque brasileiro, Flávio explica que há vários motivos para o clube ser popular no país.

"Temos muito a nosso favor. Além de ter um dono brasileiro, o Orlando City fica em uma cidade que é visitada por milhares de brasileiros todos os dias. Queremos fazer com que, a partir de agora, eles tenham mais um motivo para conhecer a Flórida", explica Flávio. "A página no Facebook foi apenas o começo. Vamos criar ferramentas para aproximar o público do dia a dia do clube, como transmitir seus jogos para o Brasil e desenvolver produtos exclusivos para esse público, além de realizar testes no país em busca de novos talentos para compor o elenco do City".

 

CONTRIBUIÇÃO

Através da página no Facebook, os Lions divulgaram que a prefeitura de Orlando aprovou uma contribuição de US$ 20 milhões para o investimento. Falta a aprovação final dos comissários de Orange County, e o clube deve partir para os detalhes finais da assinatura com a MLS, que pode ocorrer em novembro. A entrada na Liga, de fato, deve ser em 2015.

Fonte: Brazilian Times