Publicado em 25/10/2013 as 12:00am

Brasileiros são processados pelo estado de Massachusetts

Brasileiros são processados pelo estado de Massachusetts

Segundo a Procuradora Martha Coakley, eles faziam parte de uma organização que teria arrecadado mais de US$350 mil e usado o dinheiro para pagar dívidas pessoais

 

da redação

 

Um grupo se anunciava como uma organização filantrópica especializada em ajudar as pessoas a combater as execuções hipotecárias está sendo processada pela Procuradoria Geral de Massachusetts.  Segundo as informações, a "quadrilha"  teria coletado, ilegalmente, mais de US $350 mil (pouco mais de R$ 770 mil) dos proprietários de imóveis sob a promessa de ajudar a não perder as propriedades.

A Procuradora Martha Coakley anunciou a prisão de alguns dos envolvidos e alega que os acusados se aproveitavam das pessoas que estavam com problemas financeiros e tinham medo de perder seus imóveis. "Eles prometiam ajudar quem estava enfrentando foreclosure e garantiam que ninguém perderia suas casas", disse ela.

O problema, segundo Martha, é que o grupo coletou o dinheiro para trabalhar com o processo, mas acabou usando a verba para pagar dívidas pessoais. "Através do nosso programa HomeCorps, vamos ajudar as pessoas que estão enfrentando foreclosure, sem a necessidade de pagar nada", fala acrescentando que vai continuar combatendo esquemas semelhantes que querem apenas se aproveitar do cidadão.

O Juiz do Condado de Suffolk, Frances McIntyre concedeu uma liminar, na quinta-feira (24), contra os réus , impedindo-os de solicitar ou divulgar dinheiro adiantado para este tipo de serviço ou cobrar taxas indevidas.

A denúncia, apresentada no Tribunal de Justiça do Condado de Suffolk, alega que, desde 2009 um grupo formado por cinco pessoas vinha operado uma série de organizações que oferecem serviços jurídicos e financeiros, incluindo serviços relacionados com a ajuda a proprietários em dificuldades em Massachusetts.

Os nomes das organizações arroladas neste processo são: Alliance for Affordable Housing (AFAH) e the Global Advocates Foundation Inc., ambas com sede em Everett (Massachusetts). Também está listada a  Alliance for Hope Network, Inc., em Framingham (MA).

Os nomes das pessoas acusadas são: Obeilson Roosevelt Matos de Framingham, Gailon Arthur Joy de Boylston, Pricila Trancoso Silva de Revere, John Charles Schumacher de Lancaster, e Paula Carvalho de Framingham.

Os réus, segundo Martha, eram tratados como organizações filantrópicas e estavam isentos de impostos, "mas no entanto, operavam como empresas visando lucro para seus diretores e conselheiros. A denúncia alega, também, que os réus não são advogados e tampouco tem vínculo escritório de advocacia, incorrendo na prática não autorizada.

Segundo a acusação, os réus forçavam os proprietários a pagarem até 25% de suas rendas mensais, alegando  que esse valor era necessário para tornar a pessoa elegível ao "programa de alívio de hipotecas". A denúncia mostra que entre março de 2010 e outubro de 2012, os réus coletaram dos proprietários mais de US$350 mil em depósitos.  A promessa era de que este valor serviria para ajudar a amortizar a dívida existente. Mas a organização usou os fundos para despesas pessoais, incluindo custos habitacionais, taxas de seguro de automóveis, restauração de veículos e impostos dos mesmos.

Martha deixa um recado para quem está enfrentando foreclosure. Ela afirma que a HomeCorps ajuda, oferecendo todo tipo de auxílio sem a necessidade de taxas. Entre em contato com a "hotline" da HomeCorps no telefone no (617) 573-5333.

Fonte: Brazilian Times