Publicado em 1/11/2013 as 12:00am

Informações impedem que brasileira se reúna com os filhos

Informações cruzadas impedem que brasileira se reúna com os filhos

da redação

Um esforço para reunir uma família falhou, no último fim de semana, por causa de um mal-entendido entre as autoridades brasileiras, mas o trabalho será retomado para trazer três filhos junto a mãe, em Omaha. As informações são do “Omaha.com”.

“Eu acho que isso logo poderá ser resolvido”, disse Rod James, investigador criminal do Condado de Douglas, que liderou o projeto. “Estamos avançando com isso, então vamos fazer isso acontecer”.

A mãe, Wanderlucia Oliveira de Paiva, foi trazida para os Estados Unidos há dois anos, o que ajudou a levar seu ex-marido Valdeir Conçalves Santos a confessar sua participação, junto com dois brasileiros, na morte de Vanderlei Szczepanik, sua esposa, Jaqueline, e o filho de 7 anos do casal, Christopher. Valdeir foi condenado a 10 anos de prisão.

José Oliveira Coutinho também foi condenado e sentenciado à prisão perpétua, enquanto um terceiro brasileiro, Elias Lourenço Batista, está no Brasil, que não extradita seus cidadãos.

Oliveira de Paiva, que foi trazida para Omaha há mais de dois anos, deixou os filhos para trás. Eles não se veem desde então.

Os Serviços Luteranos de Família na Nebraska têm trabalhado junto com a procuradoria do condado para a mãe rever seus filhos. Esta reunião era para ter acontecido no dia 26.

James disse que um primo acompanhou os três filhos em dois voos pelo Brasil para chegar a São Paulo no dia 25. O primo entregou as crianças para um amigo da família, que iria escoltá-los no voo para os Estados Unidos e para Omaha.

James disse que representantes de embaixada os EUA no Brasil e no Consulado do Brasil em Chicago revisaram a ordem do juiz, assim como as autoridades policiais brasileiras. Mas a Polícia Federal em São Paulo tinha uma interpretação diferente da ordem do juiz brasileiro e não permitiria que a entrega das crianças acontecesse. Assim, as crianças ficaram impedidas de prossequir viagem de São Paulo para os EUA. Eles voltaram para sua casa sábado, disse James, afirmando que vai criar um plano para que o primo acompanhe as crianças o tempo todo e que terá que levantar alguns milhares de dólares – mais uma vez – para levá-los até Omaha.

Oliveira de Paiva foi ameaçada por parentes dos acusados, na tentativa de fazê-la desistir de vir para os Estados Unidos para depor.

Outra mulher, brasileira também, chegou a Omaha para testemunhar, mas foi capaz de trazer seus filhos com ela. James disse que Oliveira de Paiva merece ficar com os filhos nos EUA. “O que as mães fizeram foi corajoso”, disse James . “Nós não teríamos chegado tão longe nas investigações sem a ajuda dessas mulheres. A justiça foi feita”.

Fonte: Brazilian Times