Publicado em 23/12/2013 as 12:00am

Cearense de MA é finalista no The Voice Brasil

Imigrante cearense de Massachusetts é finalista no The Voice Brasil

A trajetória do jovem cantor Samuel "Sam" Alves surpreende desde que ele tinha 2 dias de idade, quando em 3 de junho de 1989 foi abandonado numa caixa de papelão à porta do escritório do casal Luís e Raquel Aves, em Fortaleza (CE). Criado pelos missionários evangélicos, sua família mudou-se para os Estados Unidos quando ele tinha apenas 4 anos em busca de uma vida melhor, estabelecendo-se em Fall River (MA). Influenciado pela mãe, que era dona de casa e cantora de música gospel no Brasil, Sam cresceu falando português em casa, ensinado pela avó materna, e ouvindo constantemente música cristã. Ainda na infância, o jovem foi treinado por sua mãe para cantar na igreja, com a irmã Samara, na qual o seu pai se tornou pastor. Após concluir o ensino secundário, Sam ingressou na Worcester State University, em Massachusetts, entretanto o curso de Pré-Medicina logo foi trocado por Administração de Empresas e Música. Com a separação dos pais nos Estados Unidos, o jovem continuou vivendo com a mãe, uma de suas maiores incentivadoras. Na noite de quinta-feira (19), Sam foi destaque no nacional, depois de ficar entre os finalistas do show The Voice Brasil. Na final estão: Sam Alves, da equipe de Cláudia Leitte, Pedro Lima, da equipe de Lulu Santos, Lucy Alves, da equipe de Carlinhos Brown, e Rubens Daniel, da equipe de Daniel. Até a semana passada, o público brasileiro decidia quem iria vencer e a final está marcada para a próxima quinta-feira (26). Essa não é a primeira vez que Alves se destaca no The Voice, pois em 2012 ele participou de uma seleção aberta para a quarta temporada do programa nos Estados Unidos, cantando "Breakeven" do Script, inspirado por um rompimento recente com a ex-namorada, e foi aprovada, levando-o para Hollywood (CA). Na audição, o brasileiro cantou o clássico "Feeling Good", sucesso na voz de Michael Buble, a qual foi ao ar em rede nacional americana em 1 de abril desse ano. Eliminação gera polêmica Na reta final, o show no Brasil não conseguiu se manter imune às polêmicas. Depois da eliminação de Khrystal e Dom Paulinho Lima, também favoritos ao prêmio, fãs dos dois candidatos levantaram suspeitas nas redes sociais de que houve "marmelada" na competição. Aparentemente, a insatisfação também partiu dos eliminados, conforme a mensagem postada no Facebook pela candidata natural do Rio Grande do Norte. "Quando a base (da canção) chegou no meu e-mail um dia antes de viajar, eu já sabia que era para me tirar. Depois de cantar 'A Carne', o que danado eu ia fazer com 'Lamento Sertanejo'? Uma música belíssima, mas triste para danado para aquela ocasião", publicou o jornal O Dia. "Quem 'mexeu na peça' e me impôs a canção sabia o que estava fazendo e senti o cheiro foi na hora. Ficou evidente para mim, mas eu tentei fazer o meu melhor, que não suficiente para continuar", acrescentou depois de homenagear a sua líder de time Cláudia Leitte. A desclassificação de Dom Paulinho Lima fez com que a platéia vaiasse Lulu Santos. "Se eu escolhesse Paulinho, os partidários de Luana iriam se revoltar e gritar igualmente e em maior número, seu percentual final foi maior. Este é um jogo de eliminação, quem não percebe isso não sabe jogar", defendeu-se o cantor. Entretanto, há candidatos que vêem uma certa manipulação de forma positiva. A vencedora da 1ª edição do The Voice Brasil, Ellen Oléria, alegou que a competição pertence ao público e mais ninguém. "O conceito de manipulação só é pensado negativamente, mas tudo é manipulado. O público nos manipula, porque é ele quem diz quem vai ficar, a roupa manipula porque pode ressaltar os meus olhos na apresentação, os técnicos têm seus critérios e devem ser respeitados", disse ela. "Na minha época, eu não conhecia ninguém dentro da Rede Globo, não tive nenhum amigo que me colocou lá dentro, nem nenhum dote especial que me colocasse em vantagem. E foi uma surpresa ganhar, porque sou um foco hegemônico. Eu sou uma contra cultura total. Sou negra, gorda e lésbica. Espero que o jogo não tenha sido manipulado, porque perde a graça", acrescentou a cantora. Aparentemente, as polêmicas não são de todo prejudiciais, pois o show, exibido próximo ao horário nobre, possui uma das mais altas audiências do país.

Fonte: (da redação)