Publicado em 27/12/2013 as 12:00am

Brasileiro é preso por dirigir embriagado em MA

Brasileiro é preso por dirigir em embriagado em Framingham (MA)

Na segunda-feira (23), o porta-voz da Polícia de Framingham (Massachusetts), divulgou a prisão de um homem que já foi condenado anteriormente quatro vezes por dirigir embriagado. Ele está em sua quinta condenação pelo mesmo delito. Trata-se do brasileiro Marcus De Oliveira, 41 anos, que foi preso após atingir, com o seu veículo, em um poste de luz e um telefone público. O acidente aconteceu no domingo (22) e o departamento de polícia da cidade informou que o acusado foi preso por volta das 2h38, na Cedar Street. Um policial foi ao local do acidente e lá encontrou Oliveira rastejando para fora de uma camionete Ford. Em seguida, o acusado ainda tentou empurrar o veículo para longe do poste. "O oficial desligou o motor e chamou o condutor para conversar", disse o Tenente Frank DiVittorio, porta-voz da polícia. Ainda, segundo o relatório, o acusado se aproximou do policial e devido ao estado de embriaguez, perdeu o equilíbrio e caiu nos brasileiros do oficial. O policial relatou que, através dos rastros deixados na neve, que Oliveira conduziu a camionete por um longo percurso, invadindo a calçada várias vezes e terminando atingindo um poste. "Graças a Deus não havia pessoas por perto ou o acidente poderia ser pior", disse ele ressaltando que o motorista não sofreu ferimentos graves. Após sentir o forte cheiro de álcool, o policial pediu para que o acusado executasse alguns testes de sobriedade. Oliveira falhou em todos, segundo o porta-voz da polícia. Foi então que o policial deu voz de prisão e o brasileiro foi indiciado por operar um veículo sob a influência de bebidas alcoólicas. Após a sua prisão, Oliveira pagou uma fiança de cinco mil dólares e foi liberado. Na segunda-feira (23), o Tribunal Distrital de Framingham determinou que ele não beba e se submeta a testes de alcoolemia aleatórios. O brasileiro deve voltar ao tribunal no dia 29 de janeiro para uma conferência de pré-julgamento.

Fonte: (da redação)