Publicado em 10/01/2014 as 12:00am

Brasileiros falam sobre perspectivas para 2014

Brasileiros falam sobre perspectivas para 2014

O ano de 2014 chegou e junto com ele as esperanças de um novo tempo e ansiedade por mudanças na vida das pessoas. Em conversa com alguns brasileiros que moram neste país, ficou claro que um dos maiores desejos é a reforma nas leis de imigração dos Estados Unidos. Mesmo o projeto andando a passos lentos, a maioria das pessoas ainda acredita que é possível que o Governo de Barack Obama aprove uma "Reforma Imigratória". Outro assunto bastante comentado entre os entrevistados foi a geração de empregos e a saudade da família. Isso prova que diante das tantas dificuldades e o pessimismo de algumas pessoas, o sonho de se tornar legal neste país continua vivo entre os brasileiros. Walter Mourisso, pastor evangélico. Natural de Galiléia (Minas Gerais), ele acredita que o ano de 2014 será decisivo para a Reforma Imigratória. "Se o governo não fizer nada para a aprovação do projeto, o assunto será engavetado. Minha esperança é que os governantes estão percebendo a importância da comunidade imigrante para este país e criando suas próprias leis. Estados estão abrindo as portas para o nosso povo, oferecendo emprego, carteira de motorista e serviços públicos. Isso, até que a reforma seja aprovada, é um incentivo muito grande para que continuemos a acreditar num futuro melhor". Em relação à comunidade brasileira, Mourisso acredita que ela ficará mais forte e respeitada no meio político dos Estados Unidos. Ele afirma que uma união forte surgirá e os líderes comunitários perceberão que as diferenças de ideias não pode afetar o bem comum de todos. "Creio que já apanhamos demais e está na hora de nos unir para mostrar que somos capazes de produzir neste país". Sandra Mendes é natural de Anápolis (Goiás), ela vive nos Estados Unidos há 17 anos e há quatro anos trabalha na área de serviços comunitários com "foodpantry". Ela afirma que suas esperanças para 2014 é a mesma da maioria das pessoas ? uma ampla reforma imigratória aprovada pelo Governo. "Também a saúde pública amplie o alcance e todos possam ter acesso a este serviço tão importante em nossas vidas". Ela acredita que a legalização dos imigrantes é fundamental para o crescimento de outros setores, tais como a geração de emprego e aumento na arrecadação de impostos. "O país só tem a ganha ao abrir as portas para legalizar as pessoas que estão aqui para trabalhar e contribuir para o desenvolvimento". Uma das expectativas de Sandra é poder continuar com o trabalho comunitário que desenvolve na sociedade e que mais brasileiros tomem ciência da importância de ser um voluntário em qualquer tipo de atividade beneficente. "Quem quiser participar do nosso trabalho é só nos procurar para ver de que forma pode colaborar". O endereço do FoodPantry é 357 Sterling Raoad, Lancaster (MA). O telefone é (508) 304-4324. Márcio Porto é presidente da Central do Trabalhador Imigrante Brasileiro nos Estados Unidos (CTIB/US). Ele entrou o ano de 2014 esperançoso, mas lamenta as manipulações e promessas em torno da reforma imigratória. "Nós, os imigrantes, fomos usados por um grupo inescrupuloso de políticos que só queriam aparecer na mídia usando os imigrantes". Outra decepção deste paraibano natural de Campina Grande foi a falácia de Obama de que estava comprometido com a legalização dos imigrantes e no entanto foi o presidente que mais deportou. "Existe um contraste nisso, pois se você quer legalizar as pessoas, porque deixa que elas sejam deportadas?". Márcio afirma que existe muito jogo político, interesses e manipulação por trás da Reforma Imigratória. Mesmo sabendo da dificuldade para a aprovação deste projeto, ele não deixa de incentivar as pessoas a manterem acessos os sonhos. "Não podemos e não vamos desistir, mesmo diante de tantos obstáculos". Valdir Borba é empresário e mora em Nashua (New Hampshire). Ele reside nos Estados Unidos há 14 anos e disse que sua maior perspectiva para o ano de 2014 é que as pessoas amem e sejam amadas. Natural de Brasília (Distrito Federal), ele acredita que o amor é muito maior que qualquer outro tipo de sonho. "Se nos sentimos amados, as demais coisas ficam em segundo plano". Ele acrescenta que todos os imigrantes sonham com a reforma, "mas isso é um assunto que vai acontecer a seu tempo". Para Valdir, enquanto isso as pessoas devem distribuir amor, caridade e respeito ao próximo. O advogado Danilo Brack é um dos mais confiantes de que a reforma imigratória será aprovada em 2014. Para ele, este será o ano decisivo e inesquecível na vida dos imigrantes que vivem nos Estados Unidos. Uma das provas de que ele está bastante confiante é que mudou-se para um escritório maior, mais centralizado e estuda a contratação de outro paralegal ou advogado para lhe auxiliar. "Quando o projeto for aprovado, quero estar preparado para atender a todos os clientes de maneira satisfatória". Mas ao mesmo tempo, Danilo alerta que o ano de 2014 poderá ser um ano para o aumento dos aproveitadores, que sempre surgem a cada lei imigratória aprovada pelo Governo. "É preciso que os veículos de comunicação ajudem criando campanhas para alertar e orientar os brasileiros em relação a saber escolher um profissional qualificado e preparado para cuidar de seus processos". Danilo acrescenta que muitas empresas terceirizadas estão oferecendo serviços que não existem e tirando vantagem da boa fé das pessoas. "Nada foi aprovado em relação a reforma imigratória, por isso não se deve pagar nada até então". Em relação à geração de emprego, ele também defende a tese de que a legalização dos imigrantes abrirá novos postos de trabalho e fortalecerá a economia dos Estados Unidos. "Além disso, o mercado imobiliário será aquecido e o comércio terá um impulso muito grande". Danilo lembra que todas as medidas de legalização e anistia do passado geraram ondas de economia positivas para o país. O empresário Zeca Chaves vê a reforma imigratória como a solução para os Estados Unidos sair de vez dessa recessão. Ele também acredita que quanto mais pessoas vivendo legalmente e pagando os seus impostos de maneira correta, mais empregos serão gerados e os cofres públicos terão mais renda para investir em serviços como saúde e educação. "Na minha visão, isso funcionará como um ciclo". Zeca mora nos EUA há 18 anos e é natural de Anápolis (Goiás). Ele lembra que quando chegou a este país, conheceu muitas pessoas que trabalhavam muito para retornar ao Brasil. Mas esta visão mudou, pois hoje a maior parte dos brasileiros quer permanecer e constituir família. "Os imigrantes não veem mais os EUA como um país de oportunidade para fazer a vida e sim como um dos melhores lugares para se viver e criar os filhos". Ele comenta, ainda, que os brasileiros que moram nos EUA mudaram a maneira de pensar: compram carros bons, saem para jantar, divertem e gostam de viver neste país. "Temos em nossa comunidade microempresários que geram empregos e pagam impostos. Esta reforma é essencial para que mais pessoas possam crescer financeiramente".

Fonte: (da redação)