Publicado em 15/01/2014 as 12:00am

"Estão pegando pesado", diz mãe de brasileiro preso nos EUA

\'Estão pegando pesado\', diz mãe de brasileiro preso nos EUA por ameaça

 A família do estudante de Sorocaba (SP) Francisco Fernando Cruz, de 22 anos, que está preso em Miami, nos Estados Unidos, por suspeita de enviar e-mails à polícia e à TAM Linhas Aéreas com ameaças de bomba em um avião, está desesperada em busca de informações sobre ele. Cláudia Cruz, mãe do estudante, diz que o último contato com o filho foi feito na quinta-feira (9). Ele embarcaria no dia seguinte para Brasília. \"Todo dia, a gente conversava sobre todos os assuntos. Tudo o que temos falado com ele está escrito\", afirma a mãe. Francisco mora nos EUA há dois anos. De acordo com sites de notícias americanos, em duas mensagens ele dizia que o voo para o Brasil não deveria decolar. As mensagens foram mandadas de dois computadores diferentes: de uma faculdade e do apartamento onde ele morava, ambos na cidade de Montclair, em Nova Jersey. Um dos computadores teria registrado a imagem do estudante. Ainda segundo a imprensa americana, Francisco disse à polícia que queria verificar se as autoridades identificariam o remetente das mensagens. No Aeroporto Internacional de Miami, Francisco teve a bagagem revistada, mas nenhum dispositivo que pudesse provocar acidentes foi encontrado. Vários sites de notícias dos EUA divulgaram a prisão. \"Ele estava com emprego garantido aqui, então não tinha sentido aprontar uma coisa dessas. Ele ia ser monitor em uma escola de inglês. Não entendo isso que está ocorrendo\", diz a mãe do estudante. As autoridades do setor de segurança aérea americano querem que Francisco responda judicialmente pelas ameaças. \"Quero que seja resolvido esse mal-entendido. Muitos frequentam a faculdade, então não acho que tem sentido acusar o menino por um e-mail dizendo que foi ele quem enviou. Acho que estão pegando um pouco pesado, dizendo que ele é terrorista. Quero saber se foi ele quem escreveu esse e-mail. Quero que me provem isso\", desabafa a mãe. O Itamaraty informou que o Consulado Brasileiro em Miami já está acompanhando caso. Em nota, a assessoria da TAM Linhas Aéreas informou que havia sido notificada pelas autoridades do EUA sobre uma suposta presença de bomba a bordo de uma de suas aeronaves. Para garantir a segurança dos clientes e da tripulação, a companhia aérea, como já fez em outras circunstâncias de alarme falso, reforçou a inspeção de todas as cargas despachadas, assim como dos passageiros\", diz a nota. Ainda segundo a TAM, após as investigações, foi confirmada que a ameaça era falsa. \"Nenhum risco foi detectado à segurança do voo JJ8043. A aeronave decolou normalmente, no horário previsto\", completa a nota. Cuidador de crianças Em entrevista ao G1, a mãe de Fernando, Cláudia Cruz, afirma que o filho é uma pessoa carinhosa e cheia de amigos. Ele teria ido aos Estados Unidos por meio de uma bolsa de estudos, e que se sustentava com pequenos trabalhos, entre eles, cuidando de crianças. \"Ele olhava um garoto autista. Como alguém que cuida de criança doente pode ser perigosa?\", questiona. Claúdia se diz inconformada com fato de ainda não ter conseguido falar com o filho \"Ele está sozinho nos Estados Unidos. Queria falar com ele, confortá-lo, deixar meu filho mais tranquilo. Se eu conseguisse pelo menos conversar com os advogados para saber o que está acontecendo já ficaria mais tranquila\", desabafa. Ela conta que soube da prisão do filho pela internet. \"Ele deveria ter chegado ao Brasil na sexta-feira, mas não chegou. Pensei que o voo pudesse ter atrasado e até que ele tivesse ido ao acampamento onde seria monitor e esperei mais um pouco\", lembra. No sábado, como Francisco não deu notícias ela resolveu procurar o acampamento e descobriu que ele não havia chegado e pela companhia aérea não havia registro de embarque. \"A minha filha resolveu entrar na internet e descobriu uma reportagem sobre a prisão dele. Aí eu entrei em choque\". Cláudia diz ter procurado a Polícia Federal e o Itamaraty, mas como era fim de semana encontrou os órgãos federais fechados. Na segunda-feira, entrou em contato novamente com o Consulado em São Paulo. \"Eles dizem que estão dandfo assistência ao meu ilho, mas não entram em detalhes e eu estou perdida\". Sobre a audiência que o filho terá na tarde desta segunda-feira (13h horário de Brasília e 10h, horário de Miani), ela está esperançosa. \"Eles vão ver que ele não é terrorista, que ele é uma pessoa de bem\", conclui. A assessoria de imprensa do Itamaraty informou que está acompanhando o sorocabano. Ele já está sendo assitido por um defensor público americano e receberá visitas regulares do Consulado Brasileiro. A família também está sendo informada regularmente sobre o que acontece com Fernando.

Fonte: (G