Publicado em 7/02/2014 as 12:00am

Brasileira pega taxi de NY a MA, não paga corrida e vai presa

Brasileira faz viagem de NY a Framingham (MA) e não paga corrida e vai presa

 

Um taxista informou ás autoridades que uma mulher que mora na cidade de Framingham, em Massachusetts, pegou o seu taxi em New York e se negou a pagar depois que a corrida foi feita. Ele disse havia informado à brasileira Denice C. Rebelato, 31 anos, que o valor da viagem seria de US$1,000.00 “e ela concordou”.

Denice contratou o taxista no aeroporto de New York e pelo ambos conversaram, ele deveria deixa-la em um endereço na cidade de Framingham. O que a vítima não esperava era que fosse levar um calote. Imediatamente ele acionou a polícia que foi até o local onde estava a brasileira e lhe deu voz de prisão.

O departamento de Polícia de Framingham informou que a prisão aconteceu no mesmo dia do suposto calote, nesta quinta-feira (06). Segundo as informações, assim que percebeu que teria prejuízo na corrida, o taxista ligou para a policia e por volta das 8:45 p.m. Denice foi presa.

Durante o seu depoimento, o taxista disse que ao chegar ao destino, a brasileira teria dito que o dinheiro estava dentro da casa e saiu para pegá-lo.  “Ela entrou e ficou lá por 10 minutos, depois voltou dizendo que não tinha o dinheiro e que seu cartão de crédito não estava bom”, relatou.

Segundo o taxista, a brasileira dizia apenas que “tinha muitos problemas e que vinha do Brasil”. Ela foi presa e acusada de furtar bens com valor superior a US$250.00.

Durante sua primeira audiência, no Tribunal Distrital de Framingham, a Promotora Lauren Montes disse que iria retirar as acusações se a brasileira concordasse pagar o valor de US$980.00 ao taxista.

Este valor chamou a atenção do juiz Robert Greco: “De New York? De Nova York, você disse? Isso é quanto custa?", perguntou ele. "Eles têm ônibus", afirmou.

A brasileira concordou em pagar o dinheiro dentro de 60 dias. Greco disse que o caso será arquivado se ela cumprir com o combinado. “Se não, o caso vai continuar”, afirmou.

Fonte: (da redação)