Publicado em 10/02/2014 as 12:00am

Ex-imigrante nos EUA, brasileira canta em Festival Europeu

Ex-imigrante nos EUA, brasileira e Alceu Valença cantam no Festival Europeu

A música brasileira está com tudo e tá prosa em 2013 e 2014. Além do tributo ao país que será feito no 45º Festival de Jazz de New Orleans, o Brasil é destaque na edição deste ano do MIDEM (Marché International du Disque et de L"édition Musicale), que ocorreu entre 1º e 4 de fevereiro em Cannes, na França. Foram três noites dedicadas aos artistas nacionais nos mais variados gêneros dentro daquele que é considerado um dos maiores eventos ligados à música do mundo.

Sam Alves, brasileiro imigrante nos EUA, residente no Estado de Massachusetts, foi o talento escolhido pelo The Voice Brasil. 

Rose Max e Ramatis, talentos da MPB, residentes na Florida, e atuantes por décadas no sul da Florida, foram finalmente reconhecidos pelo trabalho e talento, sendo indicados pelo Grammy Latino.    

Joyce Cândido, ex-residente de New York, acaba de participar, com estrondoso sucesso, do Festival MIDEM em Cannes, na França.

MIDEM, festival de música de maior expressão do planeta, com décadas de existência, funciona como ponto de encontro dos representantes dos mais diversos setores da música. Desde técnicos em transmissão de rádio e TV, aos gigantes da internet. De distribuidores de discos a maiores gravadoras do mundo. Empresários da música, compositores, artistas clássicos, e principalmente, as grandes revelações. Aí é que entra Joyce Candido, artista brasileira de fino trato da nova MPB. Joyce Candido foi uma das atrações do MIDEM 2014, evento que aconteceu esta semana, em Cannes, no mesmo prédio onde acontece o legendário Festival de Cinema, que leva o nome da cidade.

Brazilian Times bateu um papo com Joyce Cândido sobre sua participação no MIDEM 2014. A cantora se apresentou, no dia 3 de fevereiro, e falou também sobre sua experiência de imigrante, nos USA

BT :  Como se sentiu ao ser convidada para participar do Festival MIDEM , na França, um dos maiores do mundo.

JC :  "Disse algumas vezes que, ser convidada para participar do MIDEM já é como ser nomeado ao Grammy, e participar do evento no ano que a música do Brasil é a homenageada, equivale a ganhar o prêmio, que é o Oscar da música".

BT :Nos fale sobre a reação do público na França, no MIDEM, quando cantou e fale também sobre sua vida, como  imigrante nos Estados Unidos.

JC : "A reação do público foi fantástica. Algumas das músicas escolhidas para o meu repertório eram clássicos da MPB, e adorei ver pessoas cantando junto, com aquele sotaque lindo que o do Francês. Foi experiência única e sinto que novas portas foram abertas na Europa. O MIDEM é o máximo em termos de Festival de música. Ë o retrato da globalização no aspecto musical. O mundo vira uma vila ali, e você esbarra com grandes ídolos que cantaram no mesmo palco que você. É fantástico.

Quanto a minha experiência nos EUA, primeiro gostaria de externar meu imenso respeito pelo brasileiro imigrante assim como todo imigrante. São bravos, destemidos,  e lutadores. Mas acima de tudo, o imigrante é um grande sonhador. Só mesmo grandes sonhos podem transporta-lo a realizações em mundos distantes, e levando esta marca de empreendedorismo que lhes é peculiar. Sou muito grata por tudo que vivi no período em que morei nos EUA. Estou com saudades dos amigos de NY e NJ! Não vejo a hora de visita-los.

Meu empresário está planejando uma tour nos Estados Unidos este ano.

Estudei música e cantei na noite da Big Apple, e me senti tocada quando fui eleita a melhor cantora brasileira atuando no país, pelo Press Award 2011, o premio mais relevante que um artista pode receber, fora do Brasil.

Minha experiência nos EUA foi muito enriquecedora. Cheguei em 2008, fui em busca de conhecer os musicais da Broadway e fazer aulas de canto, dança e interpretação. No início foi muito complicado, meu inglês ainda era muito ruim e eu não conhecia ninguém ! Depois de um tempo comecei a encontrar muitos músicos brasileiros vivendo em NY e região, comecei a cantar em alguns bares, conheci a Broadway Dance Center, onde fiz Dance Theater, Ballet e Canto por 3 anos. Aos poucos, fiz amigos e me inseri no cenário musical de New York. Cantava 3, 4 vezes por semana em diversos espaços. Isso me fez ganhar muita experiência, a famosa cancha que a noite dá para um artista. 

Em 2011, logo após receber o prêmio do Press Award, voltei ao Brasil para lançar meu CD pela Gravadora Biscoito Fino.

Atualmente, vivo no Rio de Janeiro e preparo meu primeiro DVD, que traz participações de grandes ídolos da MPB. 

Meu DVD, do qual me orgulho do resultado, será  lançado em maio, pela gravadora Warner Music ,em uma gravadora que sempre quis gravar".

A artista interpreta Gershwin a sambas finos de Chico Buarque, Cartola e Jorge Aragão, com a mesma desenvoltura. Sua belíssima voz e carisma contagiante transportam o fã numa viagem de sons deliciosos. A ex- imigrante cantou em casas de NYC como L'orange bleue, Zinc Bar, VIllage Underground, Esperanto e Ceci Bar, e teve algumas performances casas brasileiras de New Jersey como o conhecido  Boi na Brasa Grill.

Joyce é hoje, requitadíssima para se apresentar em locais chics e exclusivos do eixo Rio / São Paulo, como Rio Scenarium na Lapa, Teatro Rival e Tom Brasil.

Cantou também em mega eventos, como o Reveillon da Riotur, no Rio de janeiro, onde mostrou que "conhece do ofício", segundo diz Bibi Ferreira, amiga e diretora do DVD de Joyce.

No Parque Madureira, Rio de Janeiro, 50 mil pessoas dançaram e cantaram juntos com esta grande cantora de belíssimo timbre, controle de voz e presença de palco.

Joyce Candido nasceu Assis, interior de São Paulo. Com formação em piano clássico, e graduação em música, entrou de vez para o seleto grupo dos melhores da MPB.  O DVD que caba de gravar, "o bom e velho samba novo", onde feras da música brasileira, como João Bosco e Elza Soares participam, é de uma beleza ímpar. Conta também com participação especial do mago da dança, o "pé de valsa" Carlinhos de Jesus, e produção esmerada de Alceu Maia. A gravação do DVD aconteceu no Maison de France, o estiloso teatro do centro do Rio.

De Assis para NYC, para Rio, para França. Joyce é o retrato e nova embaixatriz da rica música brasileira neste mundo sem fronteiras.

Fonte: (Kiko Sales)