Publicado em 12/02/2014 as 12:00am

'Quis impressionar os amigos', diz brasileiro preso nos EUA

'Quis impressionar os amigos', diz mãe de brasileiro preso nos EUA

A mãe de Francisco Fernando Cruz, que foi preso em Miami por enviar e-mails à polícia e à TAM Linhas Aéreas com ameaças de bomba em um avião, tem trocado mensagens eletrônicas diariamente com o filho. Segundo Cláudia Cruz, que mora em Sorocaba (SP), em uma dessas mensagens Francisco explicou o que o levou a fazer as ameaças. "Ele me disse que foi induzido a fazer aquilo, a enviar o e-mail. Ele namorava uma pessoa que o apresentou a um grupo de amigos, estava na euforia de novas amizades e quis impressionar, ser legal, um cara agradável. Daí, quando fizeram o desafio, não pensou nas consequências e fez", afirma.
De acordo com o Itamaraty, a troca de e-mails entre mãe e filho é intermediada pelo Consulado Brasileiro em Miami e todo o conteúdo passa por uma triagem. O órgão se limita, no entanto, a fornecer mais informações sobre o caso "em respeito à privacidade do cidadão brasileiro e de suas famílias".

O agente do FBI que participou da prisão do brasileiro no aeroporto de Miami, em 9 de janeiro, registrou no "Criminal Complaint" – espécie de boletim de ocorrência – que Francisco confessou ter enviado os e-mails para desafiar a polícia e ver se teria resposta das autoridades às suas mensagens.

O brasileiro morava há cerca de dois anos nos EUA. De acordo com a mãe, ele trabalhava em uma casa de família, onde cuidava de uma criança autista. Por conta disso, tinha pouco contato com outras pessoas, já que morava no trabalho. Quando conheceu os amigos, ficou "empolgado", segundo ela. "Como ele estava voltando para o Brasil, fizeram essa brincadeira com ele e, na inocência, ele fez e nem pensou nas consequências. Mesmo assim, não quis prejudicar ninguém, por isso enviou os e-mails com as amaeças da faculdade e não da casa dos amigos", diz.

Segundo o FBI, Francisco enviou dois e-mails com ameças, em 8 e 9 de janeiro. A polícia rastreou a origem das mensagens e concluiu que uma foi enviada de um computador da Montclair State University e a outra da residência onde o jovem morava.
Para Cláudia, a possibilidade de conversar com o filho com mais frequência ajuda a aliviar a tensão. "Meu coração está um pouco mais aliviado. Ele errou e está arrependido, o que eu estou achando muito bom. Ele está realmente triste e, agora, está buscando ser uma pessoa melhor." Segundo ela, Francisco contou que está trabalhando e frequentando cultos religiosos no presídio.
A Justiça americana designou um defensor público para acompanhar o caso de Francisco, que já foi ouvido algumas vezes pelo júri. Ele foi acusado formalmente por ameaça à aviação comercial e, se for condenado, poderá pegar pena de cinco anos de detenção, além da pagar multa no valor de US$ 250 mil. O julgamento final do brasileiro está previsto para março.

Entenda o caso
O jovem sorocabano Francisco Fernando Cruz, de 22 anos, foi preso no dia 9 de janeiro, nos Estados Unidos, após ser acusado de fazer ameaças a um voo que seguiria de Miami para Brasília (DF).
A Polícia Federal americana publicou a queixa na segunda-feira (13) em seu site, informando que Francisco, que mora nos EUA há dois anos, enviou no dia 8 um e-mail ao Departamento de Polícia de Miami (MDPD) e à TAM Linhas Aéreas alertando sobre a existência de uma bomba em um avião da empresa.

A mensagem informava: "Flight must not take off. Targeted. It will go down. Retaliation. Cargo is dangerous. Be advised" (Voo não deve decolar. Marcado. Vai cair. Retaliação. Carga é perigosa. Estejam avisados). Segundo a Polícia Federal americana, o Departamento de Polícia de Miami rastreou a origem da mensagem e concluiu que ela foi enviada de um computador na Montclair State University, em Montclair, Nova Jersey.
A polícia teve acesso às imagens que mostram o terminal de computador usado para enviar a mensagem. "A segurança pública de quem viaja é fundamental, e quaisquer ameaças feitas para perturbá-la serão investigadas sem impunidade", declarou JD Patterson, diretor do MDPD.
Em nota, a assessoria da TAM Linhas Aéreas afirmou que foi notificada pelas autoridades do EUA sobre a suposta presença de bombas a bordo de uma de suas aeronaves. “Para garantir a segurança dos clientes e da tripulação, a companhia, como já fez em outras circunstâncias de alarme falso, reforçou a inspeção de todas as cargas despachadas, assim como aos passageiros”, diz a nota. Ainda segundo a TAM, após investigações, foi confirmada que a ameaça era falsa. "Nenhum risco foi detectado à segurança do voo JJ8043. A aeronave decolou normalmente na sexta-feira (10), no horário previsto", completa a nota.

Fonte: (g1)