Publicado em 14/02/2014 as 12:00am

Governador de MD exige que ICE interrompa deportações

Governador de Maryland ataca Secure Communities e exige que ICE interrompa deportações

O governador de Maryland, Martin O'Malley, enviou nessa semana uma carta ao U.S. Department of Homeland Security questionando o alto índice de deportações em seu estado de imigrantes indocumentados sem histórico criminal, em especial aqueles presos de acordo com a norma de programas como o Secure Communities.

Em uma carta direcionada ao secretário do Departamento de Segurança, Jeh Johnson, o governador afirmou que o programa Secure Communities tem falhado em coibir a ação de imigrantes com histórico criminal, e na verdade, tem causado muitas deportações de imigrantes que ele classifica como ‘de bem’, e que não ameaçam a segurança do estado.

Clamando para que o programa seja cancelado em seu estado, Martin O'Malley afirma que a taxa de deportações em Maryland está muito acima da média nacional de outros estados, justamente por conta do programa que permite que a policia estadual e local atue como oficiais de imigração, onde os mesmos enviam informações imigratórias de suspeitos de crimes leves e não-violentos para o ICE. O governador afirma que 40% dos imigrantes deportados desde que o programa foi implementado, em 2009, não tinham histórico criminal. “ Quando o programa foi implementado, ele prometia ter um foco em criminosos graves que colocam a população de Maryland em risco. Infelizmente, as estatísticas mostram que essa tem sido cada vez menos a prioridade e o programa ,em minha opinião tem não cumprido seu de ver em funcionar como uma ferramenta que garante a segurança pública” afirmou ele na carta.

O ICE, em resposta enviada ao jornal The Baltimore Sun, disse que ‘as estatísticas são muito recentes para qualquer conclusão precipitada’. A agência ainda afirmou que imigrantes que tenham violado as leis de imigração repetida vezes, como aqueles que atravessam a fronteira mais de uma vez, são alvos legítimos do programa, e que  são considerados para deportação mesmo que os mesmos não tenham histórico criminal.

Fonte: (da redação)