Publicado em 6/03/2014 as 12:00am

Um ano de luto: Familiares de Chorão relembram momentos

Mãe e irmãos de Chorão relembram bons momentos


Um ano após a morte de Alexandre Magno Abrão, o Chorão, a casa da família do vocalista do Charlie Brown Jr. acabou virando praticamente um museu em memória do músico. Na residência da família Abrão, no litoral de São Paulo, fotos, instrumentos e objetos de Chorão estão espalhados por toda parte.

Dona Nilda, mãe do ex-vocalista do Charlie Brown Jr., ainda tenta acreditar no que aconteceu no dia 6 de março de 2013. “Todo dia, antes de dormir, eu penso no Alexandre. Olho para o teto e digo em pensamento para ele voltar. Ele sempre fez de tudo para me proporcionar tudo de bom e do melhor. Essa casa, por exemplo, ele fez questão de me dar como presente”, conta.

A irmã de Chorão, Tania Abrão, conta que após a morte do pai, o cantor assumiu o papel de patriarca da família. “Ele era um verdadeiro paizão. Até de eletrodomésticos ele entendia. Como ele mesmo dizia, era o nosso raio de sol”, conta. “Desde criança, já víamos algo diferente nele. Era muito ativo e perspicaz”, completa.

Chorão era “paizão” também com a sobrinha, Amanda Abrão. “Ele era muito ciumento. Avisava aos amigos que era o meu tio e não era para ninguém mexer comigo. Sempre quando eu ia aos shows, ele queria saber se eu iria de camarote ou no meio do povo. Eu sempre gostei de ficar na pista e cantar todas as músicas”, conta Amanda.

Fábio Abrão, irmão do cantor, afirma que Alexandre era muito caridoso. “A principal característica do Chorão como pessoa era a solidariedade. Ele adorava ajudar animais, por exemplo. Cachorro, gato, qualquer animal que ele visse na rua ele queria levar para casa”, conta.

Fonte: (g1)