Publicado em 24/03/2014 as 12:00am

Brasileiro cria site de ajuda comunitária nos EUA

Brasileiro cria site de ajuda comunitária nos EUA

Quando estamos fora de casa, principalmente do nosso país, num lugar de língua e cultura totalmente diferente do nosso, as dificuldades de adaptação pelo menos no início não são fáceis. Por outro lado, existem muitas pessoas dispostas a estender a mão sem pensar em retribuição alguma. Esse foi o caminho trilhado pelo matogrossense Flavio Murillo, de 38 anos, criador do "Ajuda Comunitária" (AC), grupo da rede social Facebook, que auxilia brasileiros em diferentes situações: como ofertas de trabalho, doações, aluguel, dentre outras. 

Em abril, o grupo completará seu primeiro ano de funcionamento. Atualmente conta com mais de 13 mil usuários. Murillo mora há 14 anos nos Estados Unidos. Ele explica que o grupo surgiu numa fase em que ele estava muito triste por lembrar do sofrimento de muitas pessoas causado pelo furacão Sandy. "Eu chorava porque muitas pessoas perderam tudo. Naquele momento comecei a clamar a Deus por uma ideia e na mesma hora pensei em criar o grupo, que batizei de Ajuda Comunitária". 
Ele explica que existem muitos voluntários que abrem mão do seu tempo para aceitar as postagens, além de dar assistência de diferentes assuntos totalmente gratuita. Somente no AC trabalham nove pessoas. Murillo atualiza as postagens de madrugada. 

O criador do site destaca importantes exemplos de pessoas que foram ajudadas desde a implantação do AC, como a da estudante Laura Balker que chegou aos Estados Unidos com poucas condições financeiras e estava quase passando necessidade. "No dia que conheceu o grupo ela tinha somente dinheiro para pegar o ônibus. Entrou casualmente no AC pedindo uma dica e encontrou a missionária Rafaela Chaves, que abriu literalmente sua casa para ela". 

Outro exemplo emocionante foi o pedido de socorro de uma brasileira que chegou aos Estados Unidos com duas filhas adolescentes sem falar inglês após acreditar nas juras de amor e promessas de um americano. "Uma de nossas usuárias se sensibilizou pela situação dela e as levou para morar junto com ela. São coisas assim que me emocionam e me dão orgulho de fazer parte desse trabalho". 

Além dos brasileiros, o grupo está se expandindo com a chegada de estrangeiros, como portugueses e hispanos. Essa abertura para novos povos é defendida por Murillo que aponta a importância das pessoas se unirem e se ajudarem independente da raça.

Apesar de estar fora do Brasil, Murillo considera o nosso país um lugar abençoado, mas cita que é preciso mudar os políticos. "Creio no amanhã e nas promessas que Deus tem para o Brasil. Sei que muita coisa já mudou e que antes era impossível de se ver. Quero poder investir lá, quem sabe em uma marca ou uma nova ideia?", prevê.

DECISÃO

Com apenas dois anos e meio morando nos Estados Unidos, Murillo diz que não gostava do país e que foi passear no Brasil, mas a intenção era não retornar mais. Porém, algo interno lhe dizia que ele ficaria apenas dois meses no Brasil. "Quando completou exatamente 60 dias, eu estava pisando novamente em solo americano".
Ele afirma que ainda não tinha meta, mas pedia em suas orações que Deus mudasse sua vida por completo. Hoje, ele tem uma empresa com mais de dez anos no mercado, a Divine Decor, que é responsável pela decoração de festas. 

Murillo já morou em NY, Miami e retornou para New Jersey, mais precisamente para Newark. Ele pensa em retomar os estudos e começar um novo curso de Designer de Interiores, mas acredita que essa ainda não é a hora certa.

Fonte: Correio Popular