Publicado em 4/04/2014 as 12:00am

Mineiro organiza ação contra brasileiro preso por fraude

Mineiro procura por mais vítimas para ação conjunta contra brasileiro preso por fraude de imigração

Um mineiro que é uma das vítimas do brasileiro Ronaldo Varela Melo, de 38 anos, preso em fevereiro por se passar como advogado na Flórida e acusado de roubar aproximadamente $100 mil dólares, resolveu se pronunciar, pedindo que outros brasileiros façam o mesmo.

“Eu perdi $15 mil dólares em dinheiro, enganado por esse homem que, para mim, se passava como Marcelo”, disse L.B., de 53 anos, que preferiu que seu nome não fosse divulgado. “Se ele é acusado de roubar mais de $100 mil, com certeza há muitas vítimas que estão com medo de falar, mas só assim temos chances de fazer alguma coisa”.

Ronaldo foi preso no dia 27 de fevereiro, pelo Florida Highway Patrol, ao ser pego tentando fugir para o Brasil, depois que várias vítimas entraram com reclamações contra ele no Florida Bar Association.

L.B. acredita que ainda existam outras vítimas como ele que não se pronunciaram, e isso poderá aumentar o valor do golpe e ele espera aumentar o valor da fiança, hoje estipulada em $690 mil dólares, e a condenação do brasileiro. “Além do dinheiro de volta, espero que ele fique preso por mais tempo e não faça isso com mais ninguém”, disse o brasileiro, natural de Minas Gerais.

L.B. entrou nos Estados Unidos pelo México há nove anos e desde então vive ilegalmente na Flórida, onde trabalha com construção. Sempre na tentativa de legalizar sua situação imigratória, o mineiro ficou sabendo dos serviços de um brasileiro que dizia trabalhar para outro advogado, dono de mais de 15 escritórios na Flórida. O brasileiro, Ronaldo, que se passava como Marcelo, disse que por uma taxa de $20 mil dólares passaria o caso para o advogado, que tinha “esquemas” dentro da Imigração e em seis meses um pacote chegaria em sua casa com todos os documentos. “Eu receberia o green card, carteira de motorista, tudo”, explica.

O mineiro contratou o fraudador pelo combinado de dar $15 mil dólares de entrada e os $5 mil dólares restantes mediante recebimento dos documentos. “Eu disse: mas isso é esquema de corrupção, não existe nesse país, e ele me disse que eu não tinha ideia da corrupção que era dentro da Imigração”.

Em janeiro, Ronaldo compareceu ao endereço de L.B. em Fort Lauderdale, pedindo o restante do dinheiro, mas ele não deu, pois ainda não havia recebido os documentos. “Ele saiu nervoso daqui, me ameaçando e cantando pneu”.

Advogada
L.B. consultou a advogada Ingrid Domingues McConville, que acredita que dificilmente ele conseguirá o dinheiro de volta, mas uma esperança é reunir um grupo para, quem sabe, iniciar uma investigação maior na Imigração. “Não dá para prometer nada, pois há muitos casos parecidos com este”, disse a advogada. “É preciso ter cuidado, pois isso acontece com muita frequência. Enquanto este está preso, outros fazem a mesma coisa. Se for muito barato, muito caro, algo está errado. Peça referências, o número da Ordem dos Advogados e investigue antes de dar seu dinheiro suado para as pessoas”.

Fonte: (Marisa Arruda Barbosa/ Gazeta News)