Publicado em 9/04/2014 as 12:00am

Centenas de imigrantes comparecem ao 18º Immigrant's Day

STATE HOUSE EM BOSTON

  

Por Kátia Carvalho

O Massachussetts Immigrant and Refugee Advocacy Coalition (MIRA) promoveu, na manhã da última terça-feira (08), o 18º Immigrant’s Day, na State House. Considerado o evento de maior mobilização de imigrantes em Massachusetts, o encontro anual trouxe o seguinte slogan: “Imigrantes conduzindo a mudança local”. O diretor executivo do Centro Internacional do Imigrante Irlandês, Ronnie Millar comandou o evento. Estiveram presentes na mesa a senadora Linda Dorcena Forry, o senador Jamie Eldridge e a diretora executiva do MIRA, Eva Millona.

Centenas de imigrantes compareceram ao auditório do Palácio do Governo do Estado para juntos solicitarem seus direitos e impulsionar mudanças em todo Massachusetts. As principais solicitações do público eram: direitos trabalhistas, serviços para refugiados, acesso à serviços de saúde, condução segura, igualdade no pagamento da faculdade, Trust Act, oposição às leis anti-imigrantes, proteção contra a violência doméstica, integração dos imigrantes, financiamento para aulas de inglês e cidadania.

No ano passado, cerca de 22 mil imigrantes se tornaram cidadãos naturalizados em Massachusetts. Aproximadamente 10% foram ajudados neste processo por organizações como o MIRA, que tem trabalhado para aumentar as taxas de naturalização como parte de coletivos como o Greater Boston Citizenship Initiative (maior iniciativa de cidadania em Boston) e da National Partnership for New Americans (parceria nacional para novos americanos). Os imigrantes agora compõem cerca de 15% da população de MA e 18% de sua força de trabalho. Entre os anos de 2000 e 2010, a população latina e asiática do Estado de Massachusetts cresceu cerca de 50%. “Onde quer que eles estejam no caminho para a cidadania, os imigrantes de Massachusetts também são cada vez mais importantes demograficamente e economicamente”, afirmou diretora executiva do MIRA, Eva Millona.

A senadora Linda Dorcena Forry lembrou da sua trajetória oriunda de imigração. “Meus pais imigraram para os EUA e, assim como muitos de vocês, deixaram família, amigos e vieram para um novo mundo. E aqui estou, aos 40 anos de idade, como senadora. Eu reconheço cada um de vocês que está aqui reivindicando seus direitos. Obrigada por disporem um pouco do seu tempo para estarem aqui presentes e por fazerem suas vozes ouvidas”, disse a senadora. Ao término da cerimônia, os presentes foram conduzidos pelos organizadores a conhecer a State House e tirar dúvidas sobre a condução das solicitações. Estiveram presentes imigrantes de Brasil, El Salvador, venezuela, China, Irlanda, México, Vietnã, Honduras, Portugal, Iraque, Condo, Colombia, Etiópia, Guatemala, Marrocos, Nicaragua, Somália, Equador, Costa Rica, República Dominicana, Chile, Paquistão, Bangladesh, Albânia, Cuba, Nigéria, França, Costa Rica, Ucrânia, Haiti, Espanha, Panamá, entre outros.

 

Comitiva brasileira compareceu ao local para apoiar as reivindicações

Adriana Fernandes, nascida nos Estados Unidos, foi morar no Brasil aos quatro anos de idade. Retornou ao seu país de origem há 13 anos para fazer mestrado, e consigo trouxe sua família. Ao chegar, sentiu-se uma legítima imigrante, porém documentada, mas que passou por transtornos como qualquer outro imigrante. Atualmente ela trabalha na cidade de Somerville, no Somerviva, projeto de engajamento dos imigrantes para os serviços da cidade. “Fico orgulhosa em ver um grupo tão dedicado aos imigrantes. Nunca vi neste país um Estado como o de Massachussetts, com organizações que incentivam o trabalho e dão apoio aos imigrantes. Estou muito orgulhosa por estar fazendo um trabalho numa cidade que não só valoriza a diversidade, como apoia e incentiva, para que Somerville continue sendo um lugar que fala 50 línguas, tendo o português como a segunda língua mais falada”.

Adriana conta que alguns dos imigrantes não tem acesso às informações e aos benefícios que eles são elegíveis, talvez por não terem acesso à informação em sua língua de origem. “O slogan do nosso trabalho é: Nós falamos a sua língua. Estou feliz por estar representando alguns brasileiros e em saber que um grande número de pessoas deixou seu trabalho ou suas ocupações na manhã de hoje por uma causa justa, comum e  que beneficia a todos os imigrantes”, finaliza.

Já a brasileira Mariana Fontoura, de Fortaleza, veio como missionária da Comunidade Católica de Shalom e também acompanhar o marido que está neste país a trabalho. A estudante está nos EUA há 4 meses e afirma: “Este evento é muito importante para entendermos nossos direitos como imigrantes, como aplicá-los e além disso, nossos deveres. Também é necessário saber o que o Estado está fazendo para nos ajudar em todos os processos de imigração”.

Estudantes americanos de Massachussetts, Ohio, Texas, Colorado, New Jersey e Washington, que estão adquirindo o conhecimento do português na Harvard, também estiveram presentes no evento, junto com a comitiva de brasileiros. Um deles, o estudante Ezequiel Adigum estuda português porque pretende morar futuramente no Brasil. “Gosto muito da cultura e da música brasileira, além da capoeira. Uma segunda língua é essencial para o crescimento profissional. Como aprendi o português, consegui uma oportunidade de trabalho no Brasil como coordenador acadêmico para ajudar estudantes do ensino médio que querem fazer intercâmbio com os EUA”.

 

Fonte: (da redação)