Publicado em 25/04/2014 as 12:00am

DOJ suspeita que Telexfree continue a vender cotas a 'divulgadores'

Departamento de Justiça suspeita que Telexfree continue a vender cotas a 'divulgadores' e demanda controle do caso

Em queixa oficial feita pelo U.S. Trustee, um braço do Departamento de Justiça dos EUA na quarta-feira(24), a Telexfree está sendo acusada de ‘fraude, desonestidade e condutas criminais na gestão da empresa’. No documento público, o DOJ também afirma que pretende tomar controle do caso a partir de agora.  

A acusação estaria baseada nos documentos confiscados na sede da empresa e também em indícios que a Telexfree estaria vendendo cotas a novos ‘divulgadores’mesmo após abrir o processo de concordata e ter seus bens congelados.

Sob a acusação de ser uma pirâmide fraudulenta camuflada de empresa de telefonia VoIP, a Telexfree pediu concordata no capitulo 11 na última semana, também referida como recuperação judicial. A medida foi tomada poucos dias antes de ter a empresa ter suas contas e bens bloqueados pelo Securities and Exchange Comission (SEC).

A divisão do Departamento de Justiça dos Estados Unidos que a acompanha recuperações judiciais e concordatas, a U.S. Trustee afirma que existem “indícios suficientes de fraude, desonestidade e grave má-gestão administrativa” do grupo Telexfree, segundo documento público entregue à justiça de Nevada. “Existem razões fortes para suspeitar que os membros do conselho diretor participaram em fraude, desonestidade e condutas criminais na administração da Telexfree”, também é afirmado no comunicado.

Após verificar os documentos, o U.S. Trustee está agora pedindo que tenha controle no processo de recuperação da empresa, exigindo que tenha um curador do orgão nomeado para responder pelos diretores e sócios Carlos Wanzeler e James Matthew Merrill. Segundo dito no comunicado, a medida pode ser benéfica para todos os investidores da empresa, incluindo os ‘divulgadores’. Infelizmente ainda não se sabe se o processo vai garantir o reembolso dos milhões de dólares investidos pelos brasileiros nos EUA.

O documento público também revela detalhes intrigantes da investigação. Antes de entrar com o pedido de concordata,  os diretores da Telexfree teriam tentado desviar recursos da empresa. No dia 11 de abril, dois dias antes de o pedido ser protocolado, um dos donos da empresas, o americano James Matthew Merrill,  e a mulher do brasileiro Carlos Wanzeler, outro parceiro no negócio, foram vistos saindo de um banco com US$ 25 milhões, em cheques da empresa. O incidente é dito por ser o responsável pela uma batida policial na sede da empresa no último dia 15, quando agentes da FBI e do Homeland Security apreenderam vários documentos e cópias de cheques da empresa.

Fonte: (da redação)