Publicado em 15/05/2014 as 12:00am

Esposa de brasileiro sócio da Telexfree é presa em tentativa de fuga

Esposa de brasileiro sócio da Telexfree é presa em tentativa de fuga dos EUA

A esposa do co-proprietário da Telexfree, Carlos Wanzeler, foi presa na última quarta-feira, dia 14, no aeroporto JFK em New York. Katia Wanzeler teria tentado embarcar para o Brasil, em tentativa de fuga para não responder pelo processo de fraude financeira que foi instaurado na última semana pela Procuradoria-Geral dos EUA.

Katia já teria um mandado de testemunha material expedido e por isso teria sido proibida de deixar o país durante as investigações do caso, de acordo com comunicado da porta-voz da Procuradoria-Geral dos EUA, Christina Sterling.  O marido do brasileira e sócio da Telexfree, Carlos Wanzeler continua foragido da justiça e muitos acreditam que ele estaria no Brasil.

O parceiro de Carlos na empresa, o americano James Merrill, foi preso na última semana e aguarda julgamento em custódia da polícia. Seu julgamento deverá acontecer nessa sexta-feira.

O processo de concordata da empresa, inicialmente protocolado em Nevada, foi enviado para Massachusetts e agora a empresa sofre o risco de sofrer sanções mais pesadas. Segundo investigação do jornal Boston Globe, advogados do brasileiro preferiram não se pronunciar com relação ao paradeiro de Carlos, dando indícios de que ele não estaria nos EUA.  O advogado de Wanzeler,  Paul Kelly, disse ao jornal que ‘não seria surpresa se Carlos estivesse viajando no Brasil’ considerando que ele tem dupla cidadania, e faz viagens constantes para o país, mesmo tendo sendo residente dos EUA.

O pedido de reorganização financeira,  feito com base no Capítulo 11 da Lei de Falências dos Estados Unidos, foi transferido para Massachusetts essa semana, e considerando que a empresa já está sofrendo uma investigação de crime financeiro no estado, existe a possibilidade de que a empresa tenha o seu pedido negado e tenha que pagar todos os seus credores, sem perdão da dívida, incluindo milhões de brasileiros que investiram suas economias no negócio.

Segundo o Secretário de Estado, William F. Galvin, a TelexFree foi oficialmente classificada como um esquema fraudulento de pirâmide que envolveu bilhões de dólares, focando  principalmente nos imigrantes brasileiros.  De acordo com o secretário , “a TelexFree é uma “pirâmide  que funcionava as avessas e tinha a intenção velada de causar o mal ao trabalhador”. O secretário afirmou que a TelexFree conseguiu  arrecadar $1 bilhão em todo o mundo, com muitos  brasileiros utilizando a poupança de uma vida toda e até vendendo propriedades no Brasil, para investir nas cotas da empresa. “O esquema funcionava de uma maneira que o dinheiro não parava de girar, com a intenção de deixar o negócio ativo”, afirmou o secretário.

Fonte: (da redação)