Publicado em 21/05/2014 as 12:00am

Em vídeo, diretor da Telexfree diz Fantástico mentiu

Em vídeo, diretor da Telexfree diz Fantástico mentiu

 

Carlos Costa, um dos sócios da Telexfree (Ympactus Comercial Ltda.), disse em vídeo que a empresa está trabalhando para devolver o dinheiro de participantes de sua rede em um "mutirão de devolução", mas negou que a companhia esteja operando no Brasil mesmo proibida pela Justiça. 

O vídeo foi divulgado na noite desta segunda-feira (19) no Youtube e na página da empresa no Facebook.

No vídeo intitulado "Plantão Ympactus (nº37)", Costa rebate a reportagem do programa Fantástico (TV Globo), veiculada no domingo (18), que mostrou funcionários trabalhando em uma sede da empresa no Brasil.

"De forma alguma a empresa poderia estar funcionando seu marketing. Até porque nós, hoje, de acordo com o bloqueio [judicial], não temos nem site para estarmos trabalhando. Então não teria como estar fazendo as vendas dos pacotes VoIP", diz no vídeo.

A Telexfree vende planos de minutos de telefonia pela internet (VoIP) e é acusada nos EUA de praticar pirâmide financeira. A empresa também é investigada no Brasil e está proibida de operar desde junho do ano passado.

A formação de pirâmide financeira é uma modalidade considerada ilegal porque só é vantajosa enquanto atrai novos investidores. Assim que os aplicadores param de entrar, o esquema não tem como cobrir os retornos prometidos e entra em colapso. Nesse tipo de golpe, são comuns as promessas de retorno expressivo em pouco tempo.

Mutirão é para 'quem ainda não recuperou o dinheiro'

"O que o Fantástico viu ao entrar na empresa foi simplesmente os funcionários trabalhando no quê? No mutirão da devolução. Algo que eu prometi a vocês no passado e que estamos cumprindo à risca, fazendo todo esse levantamento", completa.

Segundo Costa, o suposto mutirão está sendo feito pela empresa no Brasil desde dezembro de 2013, com o intuito de "devolver o dinheiro às pessoas que compraram os pacotes e ainda não recuperaram o dinheiro". Mas ele não dá detalhes da operação e nem de qual valor deverá ser devolvido.

Na última sexta-feira (16), a Telexfree comunicou a suspensão de suas atividadespor meio de uma mensagem em inglês no site. Nas últimas semanas, uma mensagem dizia que o site estava fora do ar "para manutenção".

Brasileiro está foragido e sua mulher foi presa como testemunha

Em 9 de maio, um de seus fundadores, o norte-americano James Merril, foi preso nos Estados Unidos depois de a Justiça do país formalizar denúncia de pirâmide financeira contra a Telexfree. Em 14 de maio, Katia Wanzeler, mulher do co-fundador Carlos Wanzeler, foi presa no aeroporto JFK, em Nova York, tentando pegar um voo para o Brasil.

Segundo denúncia da Justiça norte-americana, Katia tentava fugir dos EUA apenas uma passagem de ida ao Brasil.

Pelo vídeo, Carlos nega qualquer relação de Katia com a empresa e disse que a brasileira não estava fugindo, mas que retornaria aos Estados Unidos.

"O advogado já comprovou que ela [Katia] estava com passagem de ida e volta para os Estados Unidos, onde seu filho está estudando. Ela não ia fugir. Que fique claro que a Kátia não estava fazendo nada errado. Até porque ela não tem nada a ver com nada, não tem nenhum tipo de crime contra a pessoa dela".

Carlos Wanzeler é considerado foragido e, segundo investigação da Justiça dos EUA, ele teria fugido para o Brasil com a filha ainda em abril, dias depois do pedido de concordata da empresa.

Fonte: (da redação)