Publicado em 27/11/2014 as 12:00am

Brasileiros comentam momento histórico na reforma imigratória

Indo contra toda a oposição Republicana, Obama se manteve firme em sua promessa de realizar a reforma imigratória e divulgou quais serão os requisitos que os imigrantes terão de ter.

Na noite da última quinta-feira, 20 de novembro, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou em rede nacional, a Ordem Executiva sobre a imigração que vai beneficiar mais de 5 milhões de imigrantes. Indo contra toda a oposição Republicana, Obama se manteve firme em sua promessa de realizar a reforma imigratória e divulgou quais serão os requisitos que os imigrantes terão de ter.

Para se qualificar o imigrante terá de ter: filho(s) nascido(s) nos EUA ou residente(s), estar aqui há mais de 5 anos consecutivos e não ter antecedentes criminais. Estes requisitos deixou muitos brasileiros de fora dessa Ordem Executiva, porém a maioria aprova a atitude do presidente de ir em frente em seu posicionamento referente à legalização dos imigrantes.

Em seu discurso Obama declarou “Essas pessoas, nossos vizinhos, colegas de escola e amigos, eles não vieram aqui pegar carona em uma vida fácil, eles vieram para trabalhar, estudar, servir nossas bases militares e, sobretudo, contribuir para o sucesso da América”.

Para o fotógrafo e cineasta Marco Antonio Pessoa, Obama teve a coragem que muitos não tiveram quando perceberam o peso da oposição. “Estamos há décadas sem falar em reformas e acho muito louvável o posicionamento do presidente Barack Obama, o que já tira da mira da deportação milhares de pessoas. Tenho conhecidos brasileiros que vão se beneficiar com a Ordem Executiva outros não, porém já um grande passo na história da reforma imigratória dos EUA”, comentou.

A autônoma Lili Carlos disse que apoia a forma como tudo aconteceu, porém, ressalta que, embora muitos serão beneficiados ainda há muito o que fazer. “Foi um bom começo, ele teve coragem, enfrentou o Senado e assumiu toda a responsabilidade. Que Deus abençoe-o e que futuramente faça uma verdadeira reforma na imigração”.

A empresária, Tasia Avelino, esperava mais do presidente. “Eu achei que não correspondeu às expectativas das pessoas, pois todos esperavam que a medida adotada por ele fosse dar aos imigrantes ilegais (ainda que parte deles) o direto de ir e vir, lógico que junto com os deveres que cabem a todos os cidadãos americanos. Acho extremamente válido dar aos imigrantes ilegais que aqui têm famílias constituídas a oportunidade de ter Social Security e Work Permit, porém a maioria dos imigrantes ilegais que aqui estão e que cumprem com os seus deveres, já trabalham e pagam seus taxes através do ITIN Number, estas pessoas precisavam de algo que lhes garantissem algum direito, pois os deveres ela já cumprem”.

“Em minha opinião foi muito bom, super claro, ele está dando uma oportunidade para quem vive aqui há algum tempo ter uma vida decente, tentar uma vida melhor. A única coisa que não achei justa foi o espaço de cinco anos, porque tem muita gente aqui que tem menos de 5 anos, querem ficar e já trabalham pesado e tem muita gente com muito mais tempo, mas que fica com a barriga para o ar reclamando do que não tem”, desabafou Nick Carvalho Lucciani, promoter de eventos em NYC.

Em um esclarecimento mais voltado para a parte jurídica a advogada que vive em Manhattan, Michelle Viana, comenta: “O presidente assinou duas ações executivas, que visa temporariamente evitar a ameaça de deportação imediata para alguns imigrantes sem documentação. Observe que essas ‘ações’ não são ‘ordens’ executivas, o que significa que elas são apenas ‘políticas de governo’ e, portanto, podem ou não ser renovadas ao final do seu período de 3 anos ou podem não ser pelo próximo presidente/administração. Estima-se que mais de 11 milhões de imigrantes sem documentação vivem atualmente nos EUA, mas que talvez apenas metade desse número se beneficie dessa ação executiva do governo Obama. Na minha visão, apesar dessa ação não se tratar de uma lei de anistia, ou de um caminho para Green-card ou cidadania americana, ainda assim acredito que tenha sido uma ação positiva do governo Obama, pois estamos falando de quase 5 milhões de pessoas que poderão ficar nos EUA legalmente, sem medo de serem deportados e separados de seus filhos americanos ou Green-card holders”.

Vale lembrar que a história do povo americano se funde com a história dos povos do mundo e que durante diversas décadas milhares de imigrantes esperançosos vem em busca de um futuro melhor, tentar a vida em um novo mundo e atingir o tão famoso “Sonho americano”.

Os brasileiros não aparecem nas primeiras posições do ranking dos maiores números de imigrantes, sendo que, segundo dados oficiais, as estatísticas apontam para o México em primeiro lugar, com cerca de aproximadamente 8 milhões de imigrantes que vivem nos Estados Unidos, além de China, Taiwan, Hong Kong (1,3 milhão), Filipinas (1,2 milhão) e Índia (1 milhão).

Fonte: Da redação do Brazilian Times | Texto de Marisa Abel