Publicado em 3/12/2014 as 12:00am

Brasileira lança livro sobre bombeiros mortos em ação

Fernanda Santos é chefe da sucursal do New York Times em Phoenix (Arizona) e relatará a morte de 19 membros da "Granite Mountain Hotshots", uma equipe que combate incêndios florestais

A jornalista brasileira Fernanda Santos, chefe da sucursal do New York Times em Phoenix (Arizona), vai lançar um livro relatando a “Granite Mountain Hotshots”,um grupo dentro do Corpo de Bombeiros de Prescott (AZ). Seus membros (20 homens) tinham com função combater incêndios florestais. No dia 30 de junho de 2013, 19 membros do grupo morreram quando combatiam um incêndio na montanha Yarnell.

Ela apresenta o livro como “historias de imigrantes, bombeiros e outras não relatadas ao público”. Fernanda ressalta que pretende retratar grandes ideias através de uma lente pequena e detalhada para fornecer aos leitores histórias de quem sem lembram.

Fernanda se mudou para os Estados Unidos na década de 1990, para completar um curso de pós-graduação em jornalismo impresso, na Boston University. Como uma imigrante brasileira, ela teve que aprender a utilizar suas características únicas, em vez de escondê-las. “isso foi bastante vantajoso”, conta. “Você começa a perceber as suas diferenças e busca algo para aproveitá-las ao invés de tentar mudar”, continua.

Santos disse compreender o que significa sentir-se diferente a ajudou a fazer com que muitos de seus entrevistados se sentirem mais confortáveis. Ela escreve sobre o prisioneiro exonerado, bem como oficiais de patrulha de fronteira em locais desertos e remotos. “Essas pessoas querem ser visto bem mais do que uma pessoa pública”, explica.

O professor de ética jornalística, Peter Bhatia, disse que a “compaixão de Fernanda é o que a faz dela uma contadora de histórias e uma jornalista excepcional”. Ele cita que há grandes jornalistas e grandes escritores no mundo, “mas raramente vemos uma combinação perfeita em uma pessoa como na brasileira”.

Para justiçar o seu sucesso como jornalista e escritora, Fernanda enfatizou a importância de fazer perguntas profundas e não ter medo de invocar emoções fortes. Escrevendo sobre a equipe do “Granite Mountain Hotshots”, ela disse que foi preciso uma dolorosa e emocionante pesquisa e entrevistas marcantes.

Fonte: Da Redação