Publicado em 26/12/2014 as 12:00am

Brasileiro que morava em NJ é preso no Aeroporto de Belo Horizonte

Segundo a Polícia Federal, o suspeito é acusado de roubo em prédio residencial em Belo Horizonte. Ele foi escoltado pela polícia norte-americana e entregue à PF

Um mineiro procurado pela Interpol foi preso pela Polícia Federal (PF) na madrugada deste sábado, no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a PF, Enio Antônio Rodrigues, de 48 anos, tinha um mandado de prisão por roubo, expedido pela Sétima Vara Criminal da capital, e desembarcou no terminal escoltado por um agente da imigração norte-americana.

De acordo ainda com a PF, Rodrigues é acusado de participar de um roubou em um prédio residencial em Belo Horizonte, em 2004. Na época, conforme as investigações, o suspeito levou uma pessoa ao edifício para ver o carro da irmã dele que estava à venda.

A mulher morava no condomínio e, uma semana após a visita, o homem que estaria interessado em adquirir o veículo e dois comparsas voltaram ao prédio e roubaram alguns apartamentos. Como Ênio conduziu um dos suspeitos ao prédio, a polícia entendeu que o mineiro tem ligação com a ação criminosa.

O trio rendeu alguns moradores, roubou dinheiro, mercadorias e objetos de valor. As vítimas ainda foram agredidas pelos criminosos.

O mineiro fugiu para os Estados Unidos, onde trabalhava como motorista. Enio Rodrigues levou uma multa de trânsito no país e, quando a polícia consultou os dados do homem, descobriu que ele tinha uma ordem de prisão em aberto no Brasil.

 Durante vários anos, ele morou na Carmen Court (Newark-Jersey), um pequeno condomínio localizado próximo às margens do rio Passaic e era conhecido pelos amigos como pintor de pontes e que estava afastado da função à espera do recebimento de uma indenização, decorrente de um acidente no local de trabalho. Na madrugada de sábado (20), Rodrigues foi preso no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG).

Algumas fontes revelaram ao jornal local Brazilian Voice, que Ênio fazia o tipo paquerador, frequentava uma popular churrascaria no Ironbound, geralmente acompanhado por mulheres diferentes, e evitava falar sobre o seu passado no Brasil. Outra característica peculiar do brasileiro era exibir com frequência relógios caros.

Vários imigrantes, que temem se identificar, demonstraram surpresa pelo fato de Rodrigues, considerado um criminoso de alta periculosidade em Minas Gerais, ter vivido tantos anos tranquilamente em meio à comunidade brasileira do Ironbound, sem que nada de suspeito transparecesse. Os entrevistados pediram para não ter seus nomes publicados. Como qualquer imigrante típico, ele conhecia inúmeras pessoas na comunidade, circulava normalmente pelas ruas e curtia a vida diurna e noturna do Ironbound. Em uma ocasião, Rodrigues vendeu um automóvel a outro imigrante brasileiro, sem que ninguém suspeitasse de nada errado. Vaidoso, ele disse numa ocasião à uma brasileira que tentava conquistar que tinha 38 anos de idade, quando na realidade tem 48 anos, segundo fontes.

Outro brasileiro citou que o suspeito era tranquilo, fazia amizades facilmente e gostava de trajar roupas e acessórios caros. Outro imigrante que conheceu Ênio logo que ele mudou-se da Virgínia para New Jersey, o considerou “incrível, gente muito boa”. Entretanto, depois de saber do possível envolvimento de Rodrigues com uma quadrilha de sequestradores e ladrões de banco no Brasil, ele se lembrou da habilidade do foragido em reconhecer e saber o valor de objetos caros logo assim que os via. “Se você estivesse vestindo algo bom, na hora ele reconhecia a marca e sabia o quanto custou”, comentou.

Fonte: Da Redação