Publicado em 27/03/2015 as 12:00am

Brasileira pede ajuda para tratar filho com paralisia cerebral

Christopher tem necessidades especiais, e tem dificuldades de andar e falar entre muitas outras necessidades.

A brasileira Teresa Pereira usou as redes sociais nesta semana para contar um pouco de sua história e pedir ajuda da comunidade no sentido de tratar o seu filho Christopher. Segundo ela, o menino tem quatro anos de idade, e em abril fará cinco. “Ele nasceu com uma má-formação no cérebro e foi diagnosticado com paralisia cerebral e agenesia do Corpo Caloso com Síndrome de Andermann, aos 9 meses de vida”, fala.

Christopher tem necessidades especiais, e tem dificuldades de andar e falar entre muitas outras necessidades. Entre os tratamentos que o menino deve fazer está uma terapia intensiva. Por isso a família dele decidiu realizar uma rifa para arrecadar o dinheiro que custeie três semanas deste tratamento.

Teresa explica que este tipo de terapia não existe em Massachusetts e que só encontrou nos estados de Maine e Florida. “A clínica da Florida é de um brasileiro e tudo ficaria mais fácil, pois falamos o mesmo idioma”, explica ressaltando que apesar do tratamento ser caro, o dono do local concedeu um bom desconto para ela.

Quem comprar a rifa concorrerá a um anel, mas acida de tudo, estará ajudando no tratamento deste brasileirinho que precisa muito da solidariedade da comunidade. O sorteio acontecerá no dia 09 de Maio, um dia antes do Dia das Mães, “portanto pode ser um excelente presente para esta mãe que quer ver o seu filho correr e brincar como todas as crianças”.

O sorteio acontecerá na Art & Gold, localizada na cidade de Everett (MA). “Quem não puder comprar, pode estar ajudando em orações”, fala Teresa. O anel foi avaliado pela Art & Gold no valor de $1,400 e tem 7.2 gramas de ouro 18k, de 7 diamantes de 6 pts.

O endereço da Art Gold é 614 Broadway, Everett e o telefone para mais informações é (617) 974-0251. O valor da rifa é de U$$ 20.00.

Agenesia de corpo caloso 

ACC é uma má formação congênita que se caracteriza pela ausência (agenesia) do corpo caloso, com o aumento significativo dos cornos ocipitais. Algumas vezes nomeada de Disgenesia de corpo caloso, sendo esse termo aplicado desde a agenesia total do corpo caloso (total ausência) à sua perda parcial, encurtamento ou ao desenvolvimento incompleto. 

O corpo caloso normalmente desenvolve-se entre a décima segunda e a vigésima semana de gestação. Ele faz a ligação e a comunicação entre os dois hemisférios cerebrais, e sua ausência pode ser assintomática ao longo da vida de um ser humano ou apresentar sintomas comoepilepsia e atraso no desenvolvimento psicomotor (DNPM). Acomete de uma a três crianças a cada mil nascimentos.

A ACC apresenta-se assintomática na maioria dos casos, mas pode também apresentar vários sintomas, como a síndrome de desconexão cerebral, onde o aprendizado e a memória não são compartilhados entre os dois hemisférios do cérebro, quadros decefaleia, hemiparesia e hipotonia podem estar presentes em um número pequeno dos casos, também pode haver eventos de convulsões e retardo no desenvolvimento psicomotor, podendo existir um déficit mental variável, dependendo da extensão da agenesia e da associação com outras lesões. É comum que a agenesia de corpo caloso esteja associada a síndromes e outras malformações.

Pessoas com agenesia de corpo caloso podem apresentar dificuldades que evidenciam a falta de coordenação entre as atividades dos dois hemisférios cerebrais pela inexistência das fibras que os ligam, é como se as atividades visuais do hemisfério direito, não se integrassem com as atividades verbais do hemisfério esquerdo. Algumas vezes o corpo caloso é seccionado como medida terapêutica. Quando isso ocorre, os pacientes podem recuperar muito da coordenação hemisférica, embora essa recuperação seja muito demorada.

Fonte: Da Redação