Publicado em 3/04/2015 as 12:00am

Brasileiro acusado de aplicar golpes na Florida pode estar em MA

O brasileiro Fabiano Antônio Silva Moreira é acusado de praticar golpes na Florida envolvendo trabalhadores e seus clientes.

O brasileiro Fabiano Antônio Silva Moreira é acusado de praticar golpes na Florida envolvendo trabalhadores e seus clientes. O acusado atua na área de construção civil e nesta semana, a imprensa comunitária do Condado de Broward divulgou a notícia de que ele teria prejudicado várias pessoas.

Segundo as denúncias, Fabiano usou cheques inválidos para pagar seus funcionários, recebeu dinheiro adiantado dos seus clientes para realizar a obra, mas não realizava. Informações divulgadas pela Divisão de Licenças do Condado de Broward, a empresa do brasileiro não tem mais autorização para funcionar.

Uma das vítimas relatou que há cerca de 10 meses trabalhou para Fabiano durante uma semana. Ele conseguiu o emprego depois que viu um anúncio em um jornal de classificados. A suposta vítima conta que “instalou todo o piso de lima piscina”, mas no momento de receber US$800 que havia sido combinado, Fabiano deu um cheque de US$500 e que passasse para pegar o restante em sua casa, alguns dias depois. “Mas ao chegar ao endereço que ele me deu, não havia ninguém na casa, pois ele tinha sido despejado”, falou a vítima ressaltando “depois disso não conseguiu mais encontrar o acusado”.

O problema foi mais além, pois ao depositar o cheque, a vítima descobriu que o cheque era de uma conta inexistente e o banco fez uma ocorrência de cheque roubado e o trabalhador perdeu sua conta. Ele ficou meses sem ver o ex-patrão, mas há mais menos 20 dias disse que o viu trabalhando em uma construção em Delray Beach. Ao perguntar sobre o seu pagamento, Fabiano disse que o rapaz podia procurar a polícia e que não iria pagar.

Além desta vítima, outras pessoas se dizem prejudicados por Fabiano. Um investidor que vive de comprar, reformar, alugar e vender apartamentos ganhou uma ação que moveu contra o brasileiro. A quantia é de US$2,170.00, mas o empresário que pediu para omitir seu nome disse que não está interessado em dinheiro e sim colocar o acusado na cadeia.

Segundo consta no processo ganho, no ano passado o investidor colocou uma de suas propriedades para alugar, mas o suposto inquilino exigiu algumas modificações, entre elas a troca do piso. O interessado deu ao empresário um cartão da companhia de Fabiano, afirmando que ele seria a pessoa ideal para realizar o trabalho e que cobraria um valor abaixo do mercado.

Fabiano combinou fazer todo o trabalho com o valor do material incluído no orçamento. Após acertar, o acusado chegou com uma F150 e descarregou caixas com pisos em porcelana de ótima qualidade e recebeu um adiantamento. Depois ele pediu mais dinheiro alegando que precisava de mais material, mas alguns dias depois o investidor foi ao apartamento e constatou que o brasileiro havia retirado todo o piso que foi descarregado e não fez a reforma. “Ele desapareceu com o meu dinheiro e tive a certeza que fui roubado”, relatou o homem.

Ele abriu uma investigação no Broward County Sheriff’s Office e pretende seguir em frente com uma investigação criminal.

Mais brasileiros afirmam terem sido prejudicados por Fabiano, inclusive o centro de Assistência ao Imigrante, que alega ter visto algumas reclamações contra o brasileiro sobre pequenos golpes cometidos por ele.

ONDE ESTÁ O ACUSADO

Várias vítimas tentam contato com Fabiano, mas não sabem onde encontra-lo. Na tarde desta quinta-feira, uma pessoa que pediu para não ser identificada ligou para a redação do Brazilian Times e informou que o acusado está morando na cidade de Everett (Massachusetts) e que continua trabalhando com construção civil.

O medo desta testemunha é que Fabiano continue aplicando os mesmos golpes que aplicava na Florida. “As pessoas devem ser alertadas, pois ele faz até ameaças quando um trabalhador vai reclamar seu salário”, afirma.

O Jornal Brazilian Times tentou contato com Fabiano através de uma página mantida por ele no Facebook, mas não conseguiu êxito.

Fonte: Da Redação