Publicado em 10/06/2015 as 12:00am

Deportado de Boston (MA), brasileiro tenta retornar aos EUA

Americana foi para o Brasil com marido brasileiro, mas agora há chance deles retornarem aos EUA

     É crescente o número de norte-americanos “deportados por associação”, ou seja, que decidem deixar os EUA para continuarem juntos de seus cônjuges, parceiros ou entes queridos. De acordo com um relatório do Applied Research Center, grupo de defesa da justiça racial, somente no primeiro semestre de 2011, mais de 46 mil país de cidadãos norte-americanos foram deportados dos EUA. Nestes processos, inúmeras famílias são despedaçadas com as deportações.

     Um dos exemplos é o que aconteceu com o casal Pedro Paulo e Rachel Custódio. Depois de quase 5 anos morando na região sul do Brasil, eles tentam retornar legalmente aos  Estados Unidos.

     Em outubro de 2010, Pedro Paulo foi deportado após permanecer preso num centro do Departamento de Imigração (ICE), em Massachusetts. O brasileiro, de Santa Catarina, vivia indocumentado nos EUA, e se casou com a norte-americana Rachel Custódio. Eles moravam na região metropolitana de Boston (MA).

     Quando isso ocorreu, eles venderam todos os móveis e guardaram uma parte na casa dos pais de Rachel, assim que ela soube da deportação do marido.

     Mesmo sem falar português e nunca ter saído dos EUA, ela deixou o emprego e foi para o Brasil com o marido.

     Rachel e Pedro Paulo se casaram em abril de 2009, mas o status migratório dele era irregular e deveria ser resolvido. O brasileiro havia cruzado clandestinamente a fronteira com o México sete anos antes, pagando US$ 4 mil a coiotes (traficantes de pessoas) armados num caminhada rumo ao Texas.

     Nova esperança

     O casal Pedro Paulo e Rachel Custódio agora pode ter uma esperança de retornar aos Estados Unidos. Segundo DebraLaub, mãe de Rachel, moradora em Massachusetts, o casal solicitou um “waiver” (isenção), e deverá apresentar cartas de referência e patrocínio, atestado de bons antecedentes e preencher formulários, que serão entregues às autoridades consulares. Segundo o advogado que representa o casal, há chances de que eles consigam voltar para os EUA.

Fonte: Brazilian Times