Publicado em 19/06/2015 as 12:00am

Brasileira desaparece durante travessia para os EUA

Patrícia Boaventura da Silva estava com grupo de imigrantes, tentando entrar pelas Bahamas

Da Redação

     Uma mulher está desaparecida desde sexta-feira, dia 12, depois que agentes de imigração ajudaram a resgatar 19 pessoas na costa de Jensen Beach, na Flórida. Trata-se da brasileira Patrícia Boaventura da Silva, 39 anos, que estava acompanhada do seu marido. Ele e mais 18 haitianos e algumas crianças estavam na região de Waveland Beach, quando oficiais do Condado Martin e St Lucie foram acionados pela guarda costeira e Patrulha de Fronteira. Segundo informações das autoridades, todos estão em bom estado de saúde.

     A única preocupação é com Patrícia, que foi separada de seu marido logo após o embarque para a travessia. As autoridades estão pedindo ajuda das pessoas para encontrá-la. Ela tem cabelo louro, é magra e estava vestindo calça jeans e uma camisa floral, de acordo com autoridades.

     Quem souber qualquer informação, pode entrar em contato através do telefone 911.

     PREOCUPAÇÃO

     As autoridades norte-americanas estão preocupadas, pois com a chegada do verão, aumenta o número de pessoas que tentam entrar ilegalmente nos Estados Unidos. E segundo recentes estudos, o número de pessoas que morreram ou desapareceram na região está maior. Segundo a diretora do programa Coalizão de Direitos Humanos em Tucson, Cristine Vernon, em maio deste ano foram registrados mais de 100 casos que foram denunciados através de telefonemas e e-mails. “Em junho o número já está maior”, afirma.

     Ela acrescentou que nas últimas duas semanas foram encontrados quatro corpos de imigrantes mortos no deserto do Arizona. Um deles era de uma mulher oriunda da Guatemala que fez a travessia ao lado de um primo. Ela não suportou a alta temperatura.

     Como a travessia através de barcos vindo das Bahamas aumentou, a preocupação das autoridades também está voltada para esta rota de tráfico. Vários casos de pessoas mortas afogadas ou abandonadas em praias desertas têm sido registrados.

Fonte: Brazilian Times