Publicado em 1/07/2015 as 12:00am

Brasileira que afirma ser tia de menino encontrado em Linden (NJ) diz que odeia brasileiros

O caso do menino de quatro anos encontrado por policiais da cidade de Linden (New Jersey) continua repercutindo nas redes sociais. Desta vez, uma brasileira identificada por Mayah Gomes, que se diz ser tia do garoto, atacou as pessoas que pediam por um ex

Luciano Sodré

     O caso do menino de quatro anos encontrado por policiais da cidade de Linden (New Jersey) continua repercutindo nas redes sociais. Desta vez, uma brasileira identificada por Mayah Gomes, que se diz ser tia do garoto, atacou as pessoas que pediam por um exame de DNA. Mas os ataques dela não pararam por aí. “Meu esposo é americano/português e eu sou brasileira e odeio ser brasileira”, disse. Além disso, ela afirmou que tem “nojo e raiva dos brasileiros”.

     Mas as afirmações contradizem o perfil do Facebook dela, que mostra que Mayah faz parte de vários grupos relacionados à comunidade brasileira, formados em sua maioria por brasileiros. Entre os grupos que ela faz parte estão “Imigrantes em Connecticut”, “Vendas e Doações”, “Central do Trabalhador Imigrante Brasileiro”, “Encontre Tudo... “Newark e região”, “Notícias de Imigração nos Estados Unidos” e “HouseCleaner New Jersey/New York”.

     Mayah também faz parte de grupos religiosos, pois ela se intitula uma cristã. E foi neste ponto que ela foi atacada em seus comentários preconceituosos na publicação feita na página da polícia sobre o caso. Uma pessoa questionou o fato dela ser “uma pessoa de Deus e ao mesmo tempo ter nojo do seu semelhante”.

     Falando de uma forma generalizada, ela chama todos os brasileiros de burros, por acreditar que o seu sobrinho seja João Rafael (sequestrado no Brasil em 2013). “Nem tudo que parece é, pessoal. Burro é o tal do brasileiro”, escreveu ela na rede social. Maryah ainda ameaça os brasileiros: “Cuidado, povo tudo indocumentado e procurado pela court. Por isso tem medo de ir à polícia denunciar o caso”.

     Algumas pessoas não entenderam a revolta e indignação de Mayah, “pois se realmente ela é tia do garoto e ele não é João Rafael não há motivos para temer nem se exaltar desta forma”. Na opinião da maioria, ela deveria manter contato com a família e tentar ajudar de alguma forma e até mesmo convencer a família do menino a provar que ele não é o mesmo que foi sequestrado no Brasil. “Muito estranho esta reação agressiva dela”, disse outra internauta.

     A reportagem do Brazilian Times tentou contato com Mayah através de sua página no Facebook. Ela conversou, se mostrou indignada, fez ameaças e depois excluiu as mensagens e bloqueou o acesso à sua página. Veja as respostas dada por ela durante a breve conversa: “Como eu não vou ter raiva e nojo de pessoas levantando falsas acusações contra minha pessoa ... as pessoas não me conhecem, não sabem nada sobre e estão me mandando mensagem dizendo que eu roubei uma criança.  Sendo que  eu moro na América há 10 anos. E nunca voltei ao Brasil.  Sim eu sou cristã e sou de osso e carne também. Eu sou ser humano e tenho sentimentos e sinto amor e raiva como qualquer pessoa. Não é certo pessoas falarem coisas que não sabem. É bom você arrumar um bom advogado, vocês postaram foto do meu sobrinho sem autorização... Se informe no Facebook porque todos vão te responder..  Eles sabem tudo... Faz o que você acha melhor...  Vá conversar com eles porque eu não vou conseguir fazer com que você e ninguém acredite em mim.  Estamos com a consciência tranquila.   Tenha uma boa tarde”.

     Depois disso, ela fez o bloqueou e as mensagens foram apagadas, afirmando que o perfil poderia ser falso. Uma pessoa chegou a denunciar o perfil e ela que estaria apenas querendo tumultuar o caso. “Não importa se você é tia ou não, o que todos aqui querem é uma chance para que esta mãe encontre o seu filho”, disse.

Fonte: Brazilian Times