Publicado em 8/07/2015 as 12:00am

Brasileiro agradece por solidariedade em momento mais difícil

Na semana passada, o colunista Cosme Neles acompanhou o brasileiro Carlos Cansoni, natural de Cocal (SC), mais conhecido como "Galo". Esteve com ele no Consulado Brasileiro de Boston, pois ele tinha a necessidade de retirar dois passaportes de emergência

Na semana passada, o colunista Cosme Neles acompanhou o brasileiro Carlos Cansoni, natural de Cocal (SC), mais conhecido como “Galo”. Esteve com ele no Consulado Brasileiro de Boston, pois ele tinha a necessidade de retirar dois passaportes de emergência para dois filhos, pois os passaportes foram queimados num incêndio em sua casa no dia 13 de abril.

Carlos conversou durante muito tempo e em vários momentos ele mencionou a grande ajuda que teve da comunidade, especialmente de alguns amigos, que o acompanharam no hospital durante os nove dias em que esteve internado em Boston. “Tive colaboração de muitas pessoas, inclusive quem eu não conhecia, como o dr. Alejandro Urritas,  da Cruz Vermelha de Nashua (NH). Ele prestou um grande suporte aos meus familiares, acompanhando meu cunhado e meu sogro nas providências imediatas. Também sou grato a Marcia Pretto, que me visitava todos os dias; meu conterrâneo e amigo Edson Demétrio, que manteve dois dos meus filhos em sua casa, além de várias mensagens de solidariedade nas redes sociais e também atenção dos médicos e enfermeiras. Sou muito grato a Deus! Infelizmente, o destino me causou esta infelicidade, mas com fé em Deus, estou superando," disse Galo.

Quero agradecer e muito a todos aqueles que nos ajudaram, seja em suas orações, prestação de socorro, visitas etc. Que Deus os dê em dobro.

Galo ficou muito contente com a recepção dos funcionários do consulado, desde o pessoal do front desk, com vice a cônsul Claudia Figueiredo, e os seguranças que nos orientaram com a maior fineza. A vice-cônsul Vilma Silva tomou todas as providências necessárias com os novos passaportes e a autorização de viagem. Quero deixar claro que se tratava de uma emergência. A vice-cônsul Claudia Figueiredo disse que para ter um documento em emergência é preciso justificativas como: provar o motivo, estar com a passagem em mãos e ainda submeter a uma entrevista com um secretário, que dará sim ou não, dependendo da justificativa. Já adianto que não é fácil. Queremos agradecer ao consulado por ter entendido o caso do Carlos e a situação de reestabelecimento da família. Os avós paternos estão querendo as crianças no Brasil por algum tempo, devido os filhos ainda estarem abalados com a perda da mãe. A gente sabe que não é fácil a situação que Galo está enfrentando, em ser pai e mãe ao mesmo tempo. Mas, Deus é grande e aos poucos tudo se encaixar. A mãe fará uma grande falta. Que Deus abençoe esta família.

Fonte: Brazilian Times