Publicado em 31/07/2015 as 12:00am

Agente do FBI coleta DNA da mãe da menina Emili em Jaraguá do Sul

Material será comparado ao de criança carbonizada em Massachusetts. Catarinense de 2 anos sumiu em 2014 após sair com o pai, achado morto.

DA REDAÇÃO

Foram coletadas no início da tarde desta quarta-feira (29) quatro amostras para análise de DNA de Josenilda Miranda, mãe da menina Emili, desaparecida há um ano e dois meses. A coleta foi feita em Jaraguá do Sul, no Norte catarinense, por um agente especial da Homeland Security Investigation, órgão do governo americano. A amostra será comparada com os genes de uma menina achada carbonizada no estado de Massachusetts, nos Estados Unidos, no dia 25 de julho.

O que motivou esse novo passo na investigação foi a divulgação, na internet, de uma imagem da reconstituição facial da menina encontrada morta nos Estados Unidos. De acordo com a Delegacia de Polícia de Pessoas Desaparecidas (DPPD), várias mensagens foram enviadas apontando a semelhança entre a imagem divulgada pela polícia norte-americana e a menina Emili.

“Inicialmente, não correlacionávamos os casos, mas preferimos entrar em contato com os norte-americanos", disse a agente de polícia da DPPD, Marcia Rejane Hendges.

As amostras, coletadas na Delegacia de Polícia da Criança, Adolescente, Mulher e Idoso, serão enviadas para análise nos Estados Unidos. O resultado deve sair em até 30 dias.

Ainda que não seja comprovada a relação entre a menina desaparecida no Brasil e a criança encontrada morta nos Estados Unidos, as informações ficarão disponíveis em um banco de dados americano.

Durante a coleta do material genético, a mãe de Emili voltou a afirmar que não acredita que sua filha seja a menina carbonizada de Massachusetts. Josenilda afirmou que não viu semelhança entre as duas imagens.

O desaparecimento
Emili desapareceu no dia 21 de maio de 2014 depois de ser levada pelo pai, Alexandre Anacleto, da casa de onde vivia com a mãe. Na época, a menina tinha 2 anos. Os pais eram separados e viviam em conflito, segundo a polícia. Três dias depois do sumiço, o corpo de Alexandre foi encontrado carbonizado dentro de seu carro, que também foi queimado na Praia de Itajuba, em Barra Velha.

Nos Estado Unidos, a polícia não encontrou pistas sobre a identidade da criança encontrada carbonizada na península de Deer Island, próximo a cidade de Winthrop. Na página da polícia da cidade, eles a identificam como uma menina de aproximadamente quatro anos, olhos e cabelos castanhos, cerca de 13 quilos e 1 metro de altura.

Já a foto de Emili já tinha sido disponibilizada pela Organização Internacional de Polícia Criminal, a Interpol, como alerta para os países da América do Sul.

A DPPD informou que segue em investigação. Na sexta-feira (24), agentes foram até Rancho Queimado, na Grande Florianópolis, para verificar em uma escola a denúncia de uma criança parecida com Emili. A suspeita não se confirmou, após os policiais verificarem a documentação dos pais da menina.

Um ano sem Emili
Durante um ano, a criança foi procurada da cidade onde morava, em Jaraguá do Sul, no Norte de Santa Catarina, e até no Paraná. Conforme a Polícia Civil, a mãe da menina e a família também foram investigadas.

Conforme a delegada Milena de Fátima Rosa, da Delegacia de Polícia da Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami) de Jaraguá do Sul, neste ano foram apreendidos 14 celulares e um computador de familiares de Emili por parte de mãe.

Após análise do Instituto Geral de Perícias (IGP), não foram constatadas provas nos aparelhos móveis. O computador ainda passa por perícia.

“Em interceptações telefônicas, a mãe nunca chegou a comentar ou lamentar qualquer coisa a respeito da menina”, disse o delegado Wanderley Redondo.

Josenilda afirma que a família é inocente e não tem nada a ver com desaparecimento ou morte da menina. "Eu só quero justiça. Só quero ter minha filha de novo. Não importa se vou ter ela comigo ou não, eu só quero saber notícias dela. Para mim seria mais fácil saber que ela está morta e enterrada, pelo menos eu ia lá visitar ela, poderia conversar. Nem isso não posso, nem esse direito eu consigo", diz.

Desde que Emili desapareceu, foram coletados 35 depoimentos, testemunhas do últimos passos dados por ela e parentes. Pelo menos 20 locais foram vistoriados em busca da menina. Conforme Redondo, a maioria das buscas foi feita depois de denúncias por ligações telefônicas.

Na família da mãe, há histórico de boletins de ocorrência por subtração de objetos, furtos. Alexandre e Josenilda já tinham acusado um ao outro de ameaça. No dia 17 de março de 2014, o homem registrou um boletim de ocorrência em que afirmou que a família da ex-mulher iria matá-lo e colocar fogo no carro, informou a delegada.

Última ligação do pai
A última ligação de Alexandre foi feita para a mãe dele às 8h30 do dia 22 de maio, um dia depois do desaparecimento da menina. Conforme o relato transcrito pela Polícia Civil, Alexandre afirma que ele e a filha iriam sumir:

- Mãe, você me ligou?
- Meu filho, onde você está? Volta logo senão a polícia vai atrás de ti.
- Eu não vou voltar. Eles vão tirar a minha filha de mim.
- Onde ela está?
- Está no carro. Tá tudo bem. Cuida do pai para mim.

Depois disso, nenhum outro contato foi feito. A empresa de telefonia não soube confirmar para a polícia se o celular estava naquele momento em Barra Velha ou Balneário Barra do Sul, pois a torre de controle das duas cidades sofrem interferência.

Fonte: Brazilian Times