Publicado em 7/08/2015 as 12:00am

Fiança de suspeito de assassinar brasileiro é de US$ 1 milhão

Autoridades revelaram que Fillipe Amaral estava prestes a fugir do país após o assassinato

Da redação

Da redação

 

 

O brasileiro Fillipe Amaral, 25 anos, foi preso no dia 30 de Julho pela acusação de ter assassinado o seu conterrâneo, o mineiro Dario Rodrigues, 64 anos, em Newark (New Jersey). O crime aconteceu na madrugada do dia 03 de Julho, e o suspeito era amigo da vítima. Ele estava se preparando para deixar o país e se proteger na lei brasileira que não deporta cidadão para responder por crimes cometidos nos Estados Unidos. Segundo os investigadores, Fillipe matou Dario com um único golpe de faca.

Durante uma audiência no início da semana, o Departamento de Justiça de New Jersey estipulou a fiança do brasileiro em US$ 1 milhão. Fillipe teve o seu passaporte apreendido durante um interrogatório, pois há suspeitas de que ele pretendia fugir dos Estados Unidos logo depois que comete o crime. Ele responderá pelos crimes de homicídio, roubo e posse ilegal de arma (faca). As autoridades não divulgaram os resultados da autopsia na vítima.

Segundo o jornal Brazilian Voice, a tentativa desesperada de Amaral em conseguir um novo passaporte foi presenciada por Janete Pereira, que também foi renovar o seu documento no Consulado Geral. Aparentando nervosismo e olhando para os lados a todo instante, Fillipe pediu à Janete e uma amiga se ele podia acompanha-las até à estação do trem de volta a New Jersey.

No dia 22 de Julho, Janete, moradora em Hillside (NJ), estava no Consulado, em companhia de uma amiga, quando ambas foram abordadas por Amaral, que pediu que elas esperassem por ele, pois alegou não saber retornar à estação de trem que leva a New Jersey, na Rua 34, em Manhattan (NY). “Ele (Fillipe) parecia muito preocupado, isso era evidente. Eu perguntei a ele: Se havia chegado ao Consulado, como não sabia voltar? Ele me respondeu que veio seguindo as pessoas na rua”, detalhou Pereira. Além disso, ele se recusou a dizer em que cidade morava em New Jersey.

Durante a conversa, Fillipe demonstrava claramente pressa em sair dos EUA. Segundo Janete, ele olhava constantemente para os lados e demonstrava preocupação. Um detalhe que chamou a atenção da brasileira é que ele respondia as perguntas dela, mas olhava fixamente para a amiga de Pereira, sem piscar, e possui um sotaque nordestino bastante acentuado.

O suspeito se queixou que Janete “fazia muitas perguntas” e evitou dizer de que estado ele era natural no Brasil. Outro detalhe marcante: enquanto esperava para ser atendido no Consulado, Fillipe olhava constantemente para todos os lados e batia nervosamente com os documentos em uma das pernas. “Ele me disse que tinha pressa de ir embora porque já tinha feito tudo o que tinha que fazer aqui. Eu falei para ele que a situação econômica no Brasil estava tão difícil, portanto, era melhor que ele ficasse mais alguns meses, mas ele respondeu ‘eu me viro quando chegar lá”, detalhou Pereira.

Olhando frequentemente para os lados e demonstrando ansiedade, o suspeito disse à Janete que, caso o passaporte dele ficasse pronto ao meio-dia, ele viajaria naquela mesma noite. Fillipe disse que era casado com uma cidadã americana e que ele iria primeiro ao Brasil e ela viajaria depois, pois sua esposa também não queria mais morar nos EUA.

Fonte: Brazilian Times