Publicado em 4/09/2015 as 12:00am

Brasileiro apoia posições xenófobas de Trump

Neto do ditador Figueiredo e sócio de Donald Trump em hotel, Paulo Figueiredo Filho apoia posições anti-imigrantes do republicano: "Vi muitos imigrantes ilegais causando tumulto"

Da redação

Donald Trump, 69 anos, é um dos homens mais ricos dos Estados Unidos e pré-candidato republicano à Casa Branca. Acha que com o dinheiro que tem, tudo pode, inclusive agredir verbalmente os imigrantes latinos. Recentemente, afirmou e reafirmou: os mexicanos “estão trazendo drogas, o crime, os estupradores” para os Estados Unidos.

Não é à toa que o consagrado escritor e jornalista peruano Mario Vargas Llosa, Prêmio Nobel de Literatura de 2010, chamou-o de “racista imbecil”. Acusado de incitar o ódio, a violência e o racismo contra os latinos, Trump  é alvo de críticas em praticamente todos os países da América Latina.

Não bastasse ser xenófobo e racista, é misógino também.

No início de agosto, em debate realizado pela Fox News, a TV da direita americana,  Trump sugeriu que Megyn Kelly, a âncora da emissora e moderadora do evento, o questionou de forma hostil estava menstruada.

“Ela chega e começa a fazer-me todo o tipo de perguntas ridículas”, disse Trump à CNN. “Dava para ver sangue a sair dos olhos dela, sangue a sair da sua… onde quer que fosse.”

No debate, Megyn Kelly citou os insultos que Trump proferiu noutras ocasiões para descrever mulheres – “como porcas gordas, cães, desleixadas e animais nojentos” – e perguntou-lhe se ele não estava a dar elementos aos democratas para acusarem os republicanos de estar em guerra contra as mulheres.

Trump tentou uma piada primeiro – que apenas confirmou a sua misoginia – dizendo que só tinha usado essas palavras em relação à atriz Rosie O’Donnell, e depois desconsiderou a questão, notando que “o grande problema deste país é o politicamente correto”, que “não tem tempo a perder com isso e, francamente, o país também não”.

Pois ele tem um sócio brasileiro, Paulo Figueiredo Filho que associou-se a Donald Trump para a construção de um novo hotel de luxo. Ele é o incorporador que terá a propriedade do novo Hotel Trump, cuja operação ficará a cargo dos sócios americanos. A previsão é de que fique pronto antes das Olímpiadas de 2016.

Paulo Figueiredo Filho deterre-se em aplausos a Trump. Ele sente-se perfeitamente à vontade para elogiar a posição contenciosa do sócio americano sobre imigração: “Sou latino e devo dizer que não me senti ofendido com seus comentários”.

Ele diz que passou muito tempo nos  Estados Unidos e viu muitos imigrantes ilegais causando problemas e tumultos no país e na verdade concordo com Trump. “Ele é um dos empresários mais reconhecidos no mundo e vamos nos beneficiar com a publicidade. Não acho que uma pessoa não irá se hospedar num hotel fantástico por causa das opiniões políticas de Trump”, disse.

O New York Times mostra-se perplexo com a opulência e a extravagância do projeto, a defesa que Paulo faz do empreendimento e por Donald Trump não ter sido rechaçado no Brasil por suas posições xenófobas, como tem acontecido em outros países da América Latina.

Fonte: Brazilian Times