Publicado em 27/09/2015 as 12:00am

Brasileiro é preso após atropelar ex-esposa com carro em Framigham (MA)

O Departamento de Polícia de Framinghma (MA) prendeu o brasileiro Lucas Gonzaga, 24 anos, por volta das 10:15 p.m., devido a um incidente na Winthrop Street, de acordo com os relatório policiais entregues para ao Tribunal Distrital, na quarta-feira (23).

Da redação

Um residente da cidade de Marlborough (Massachusetts) atropelou a sua esposa com um carro, na terça-feira (22) após uma discussão sobre o veículo. A informação foi divulgada pelas autoridades locais.

O Departamento de Polícia de Framinghma (MA) prendeu o brasileiro Lucas Gonzaga, 24 anos, por volta das 10:15 p.m., devido a um incidente na Winthrop Street, de acordo com os relatório policiais entregues para ao Tribunal Distrital, na quarta-feira (23).

A ex-esposa de Gonzaga disse aos policiais que ligou para ela e disse que iria pegar o carro e o levaria para longe dela. “O carro é meu, mas foi registrado no nome dele”, disse ela no relatório. A mulher afirmou que pediu para ele não fazer isso marido não fazer isso, “pois não teria como se locomover para trabalhar e levar as crianças para a escola”.

O relatório policial também afirma que a ex-esposa afirmou que o homem não demonstrou nenhuma preocupação com o pedido dela.

Gonzaga chegou, pegou o carro e a mulher se colocou na frente do veículo para bloqueá-lo e evitar que ele saísse. “Ele dirigiu o carro para cima dela,” afirmou a Promotora Emily Farley, na quarta-feira, durante uma audiência. “A vítima ficou com alguns ferimentos visíveis”, continuou.

A polícia prendeu Gonzaga e o indiciou por lesão corporal e agressão com arma perigosa (o carro). Após a prisão, ele depositou o valor de US$1,000 como fiança. A Promotora pediu ao Juiz David Cunis para manter o mesmo valor que fora depositado e ordenar que ele fica longe da ex-esposa e não tenha contato com ela.

Gonzaga concordou com os pedidos. Ele deverá retornar ao tribunal no dia 04 de Novembro para uma pré-conferência de julgamento.

Fonte: Brazilian Times