Publicado em 2/10/2015 as 12:00am

Brasileiro continua preso enquanto aguarda "audiência de detenção"

Daniel Filho comparecerá a ao Tribunal em Boston no dia 08 de outubro. Ele alga inocência das acusações de fraude eletrônica

da redação

O brasileiro Daniel Fernandes Rojo Filho, acusado de movimentar US$15 milhões em um esquema de pirâmide financeira aguarda uma audiência de detenção depois de ter sido indiciado pela Justiça Federal de fraude bancária. Ele foi preso no dia 21 de Julho, sob a alegação de fraudar investidores, em uma ação civil movida pela U.S. Securities and Exchange Commission e uma criminal imposta pelo Procurador-Geral dos EUA no estado.

As autoridades alegam que Filho e uma rede de promotores atraíram as vítimas para investir dinheiro em uma companhia chamada DRFR Enterprises, que “supostamente operava 50 minas de ouro no Brasil e na África”.

Na realidade, a companhia obtém seus lucros diretamente dos seus membros, que colocavam dinheiro sob a promessa de ganhar mais se recrutassem outros investidores. A afirmação foi feita pelo SEC no processo de acusação.

Filho e seus associados levantaram mais de US$15 milhões em vendas de cotas para associados na empresa, num total de 1.400 investidores. Isso gerou um aumento na receita pulando de US$100,000 em junho de 2014 para US$4 milhões em Março de 2015.

“Os operadores da DFRF afirmaram falsamente que estavam gerenciando uma mineração de ouro altamente lucrativa, sendo que na verdade se tratava de um esquema de pirâmide que buscava investidores nas comunidades brasileira e hispânica”, disse John T. Dugan, diretor regional do SEC em Boston. “Não foram fornecidos às vítimas dados completos sobre a história da companhia, segurança dos investimentos e os valores que seriam obtidos”, continuou.

Representantes da companhia se reuniram com potenciais investidores, principalmente em Massachusetts, para convencê-los a acreditar na empresa. Estas reuniões e conferências aconteciam em hotéis, casas particulares e estabelecimentos comerciais. Segundo o Tribunal Distrital dos Estados Unidos, um destes encontros aconteceu a bordo do Spirit of Boston, um navio que saiu do Boston Harbor.

As autoridades alegam que Filho gravou esta reunião e publicou no You Tube em busca de mais investidores. Os promotores afirmam que ele fazia falsas promessas para convencer as vítimas de que o dinheiro delas estaria totalmente seguro e que a DRFR tinha uma linha segura de crédito com um banco privado da Suíça. Eles teriam dito que um quatro dos investimentos iram para obras de caridade organizadas pela companhia na África.

A denúncia cita que Filho sacou US$8,5 milhões das contas da companhia e usou o dinheiro para despesas pessoais, incluindo bastos em restaurantes e a compra de uma frota de carros de luxo. Ele foi indiciado no dia 5 de Agosto em três acusações de fraude eletrônica. O brasileiro se declarou inocente das acusações durante uma audiência no dia 3 de setembro, em Boston .

Filho permanece sob a custódia federal enquanto ele aguarda uma audiência de detenção, que acontecerá no dia 8 de outubro. Oscar Cruz, um advogado da Defensoria Pública, que foi nomeado para representar o brasileiro não quis comentar o caso.

Fonte: Brazilian Times