Publicado em 7/10/2015 as 12:00am

Mesmo com crise, NY aguarda 1 milhão de brasileiros

De acordo com a diretora de Desenvolvimento de Turismo para América Latina e Espanha do órgão, Luisa Mendoza-Chavez, a meta de alcançar um milhão de brasileiros é mais do que real.

Da redação

Não há música que represente melhor Nova York do que aquela que recebe o nome da cidade duplicado para mostrar a sua importância. E, como cantava Frank Sinatra na eternizada canção, o órgão de promoção do destino, NYC & Company, tem uma novidade para o mercado brasileiro. De acordo com a diretora de Desenvolvimento de Turismo para América Latina e Espanha do órgão, Luisa Mendoza-Chavez, a meta de alcançar um milhão de brasileiros é mais do que real.

“A expectativa é que cheguemos a um milhão de turistas brasileiros mais breve do que tarde”, disse Luisa ao Portal PANROTAS. Mesmo com o dólar alto e a oscilação do câmbio, o interesse do viajante é real e o ano de 2015 deve ser encerrado com um crescimento moderado, abaixo dos dois dígitos. A célebre marca, no entanto, não deve ser atingida até o fim deste ano, mas em um futuro a curto prazo.

Para que a expectativa modesta e real se mantenha intacta, a NYC & Company iniciou hoje, em parceria com a American Airlines, em São Paulo, a primeira de quatro missões comerciais que percorrerão ao longo desta semana as cidades de Ribeirão Preto e Campinas (SP), nos dias 6 e 7, respectivamente, e encerrará no Rio de Janeiro no dia 8. “Os agentes de viagens correspondem por cerca de 90% da venda de viagens do Brasil para Nova York. Eles são os nossos maiores parceiros, sem dúvida”, garantiu Luisa.

Somente no ano passado, 921 mil brasileiros visitaram a Big Apple. Os números apontam a visitação total de 56,5 milhões de turistas em 2014. E o que torna Nova York tão fascinante e impactante? “Além do nosso trabalho, Nova York tem muita ‘publicidade natural’, que pode ser vista na música, nos filmes, na Broadway, no estilo de vida nova-iorquino”, respondeu ela. “Mas Nova York não pode ser vista completamente em uma ou duas viagens. É necessário viajar cinco vezes ou mais”.

Nascida na Colômbia, criada por boa parte de sua vida na Flórida e apaixonada confessa por Nova York, a diretora da NYC & Company mantém uma relação de identidade com o Brasil. “Meu primeiro trabalho à frente [do órgão] foi no Brasil, há um ano. Desde então, vim para cá mais duas vezes: na WTM [em abril] e agora. A energia [do País] é incrível. Espero voltar muito mais vezes”, concluiu.

Fonte: Brazilian Times