Publicado em 19/10/2015 as 12:00am

Brasileira é selecionada em programa de Harvard

Rute Helen Noleto, de 16 anos, está entre as 10 escolhidas pelo programa

Da redação

 convicção nas palavras e os gestos firmes da estudante Rute Helen Noleto, de 16 anos, evidenciam a natureza de seus talentos. Rute fala sobre sonhos com um brilho no olhar, e os descreve costumeiramente com a conjugação no plural: ‘nós vamos’, ‘nós podemos’, ‘nós conseguimos’. Um destes sonhos acaba de se realizar. Após passar por uma minuciosa seleção, Rute foi escolhida para integrar a iniciativa ‘Brasilitas’, que busca apoiar projetos de estudantes que causem impacto social na região onde moram. Ela está entre os 10 alunos brasileiros selecionados para participar do programa, desenvolvido pela Harvard Undergraduate Brazilian Association (Huba).

“Desde que passei no processo tem sido uma surpresa a cada dia”, diz animada a estudante. Apesar de estar entre o seleto grupo, Rute consegue ser modesta e afirmar: “Eu queria deixar muito claro que eu sou uma aluna comum, como qualquer outra, mas eu tenho sonhos muito grandes e vou fazer de tudo para realiza-los, mas assim como eu consegui, todos os jovens de Artur Nogueira também podem conseguir”.

A iniciativa ‘Brasilitas’, criada pelo Huba, Associação de Estudantes Brasileiros em Harvard, conecta universitários brasileiros que estudam na universidade de Harvard, nos Estados Unidos, a projetos sociais de grande potencial apresentado por alunos de escolas brasileiras. No vídeo publicado no site oficial do grupo a estudante do 3º ano de Harvard, Victoria Quadros explica: “procuramos por alunos que tenham motivação, que queiram realmente fazer alguma coisa que vai impactar a comunidade, seja na escola, no bairro ou no país inteiro”.

Trezentos e cinquenta alunos do 9º ano ao terceiro colegial, estudantes de escolas públicas ou bolsistas de todo o Brasil se inscreveram para participar do programa. O prazo final para a entrega dos materiais foi dia 1º de agosto. Junto com a estudante nogueirense foram escolhidos alunos do Maranhão, Amapá, Alagoas, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal. Na Região Metropolitana de Campinas (RMC) apenas Rute e uma estudante de Campinas foram selecionadas.

Ao todo foram três redações requisitadas, além das entrevistas. A orientação era que o conteúdo dos textos deveriam tratar a respeito de algum projeto que o candidato já tivesse participado ou que gostaria de desenvolver, depois, era necessário responder a uma questão sobre quem o candidato gostaria de conversar sobre seus projetos. Um vídeo de três minutos se apresentando também foi enviado pelos candidatos.

Rute Helen

Nascida no Capão Redondo, uma das regiões mais violentas da capital paulista, Rute veio para Artur Nogueira aos nove anos com a mãe, Marinalde Noleto Barnabé, e o irmão, Jerry Noleto de Souza, de 15 anos. Após conseguir uma bolsa de estudos na Rede Adventista, devido ao seu desempenho escolar, Rute passou a ter percepções mais profundas sobre o universo escolar. “O ambiente de escola particular e a forma dos alunos pensarem era uma novidade para mim, eu amava aprender e os professores gostavam do meu interesse”. Após entender as diferenças estruturais que existem entre escolas públicas e privadas, Rute se questionou sobre o seu papel diante disso e concluiu: “Muitas vezes a gente pensa que só governo pode melhorar alguma coisa, mas eu tenho descoberto que a gente pode fazer alguma coisa”.

A mensagem que a estudante de Artur Nogueira transmite é reflexiva, ao passo em que impulsiona outros jovens a tomarem atitudes em favor de seu próprio crescimento. “Tem jovens que tem tudo para crescer, que são muito talentosos, mas que não acreditam em si, que as vezes precisam só de um apoio e eu quero ter certeza de que eles tenham esse apoio”, disse Rute, que pode, a partir da parceria com Harvard garantir bolsas de estudos para jovens de Artur Nogueira, bem como o patrocínio para a participação em projetos científicos e realização de olimpíadas acadêmicas.

“Quero que todo mundo olhe para trás depois e pense ‘nós conseguimos mudar a realidade da educação em Artur Nogueira. Quero ainda que os jovens interajam melhor na sociedade. Muitas vezes a gente pensa que só governo pode melhorar alguma coisa, mas eu tenho descoberto que a gente pode fazer muita coisa juntos”, disse a estudante. “Não fui eu que ganhei uma mentoria de Harvard. Foi Artur Nogueira toda que ganhou”.

Fonte: Brazilian Times