Publicado em 21/10/2015 as 12:00am

Brasileiro, residente em Massachusetts, é assassinado em Minas Gerais

Márcio Marinho morava em Marlborough, estava de férias e chegou ao Brasil no dia 10 e nesta segunda-feira (19) foi encontrado morto

Da redação

No dia 10 deste mês o brasileiro Márcio Marinho chegou ao Brasil para curtir as férias ao lado de alguns parentes e amigos, na cidade de Governador Valadares (Minas Gerais). Mas o que deveria ser momentos de alegria e descanso, se tornou a tragédia de uma família. No domingo (18), ele desapareceu e não deu mais notícias.

Na segunda-feira (19) as autoridades informaram que o corpo de um homem foi encontrado em uma chácara, próximo à BR 116. Após algumas apurações da Polícia Militar, o corpo foi identificado como sendo de Márcio. A vítima estava com uma machadinha cravada em seu pescoço. A princípio, os investigadores trabalham com a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte).

A reportagem do Brazilian Times conversou com algumas pessoas conheciam e até trabalharam junto com ele. Todos concordaram que “fora do trabalho, ele era um ótimo amigo”. Márcio estava nos Estados Unidos há aproximadamente 25 anos e morava em Marlborough (MA).

O BT apurou que a mãe de Márcio chegou aos Estados Unidos há cerca de 30 anos e em seguida trouxe os filhos para morar com ela. O brasileiro trabalhou como DM em uma Healthcare e ultimamente era manager de uma “Nursing Home” em Worcester e tinha uma granja.

Além da mãe, ele tinha irmãs e sobrinhas que também moravam nos Estados Unidos. Ele tinha vendido, recentemente, a sua casa e estava morando com uma irmã.

Amigos que ficaram chocados com a notícia, disseram que ele sempre passava férias no Brasil. “Houve uma época em que ele ficou dois anos lá, assim que saiu do Healthcare”, disse uma pessoa que trabalhou com ele na empresa.

 

INIMIGOS

Uma das pessoas que conversou com o BT, afirmou que ao longo dos anos, Márcio fez muitos inimigos decido ao seu temperamento no trabalho. “Ele humilhava muito as pessoas, principalmente quem era indocumentado”, disse ressaltando que algumas destes trabalhadores foram embora para o Brasil com raiva dele.

O BT perguntou se existe a possibilidade de uma destas pessoas ter cometido o crime, mas a pessoa hesitou e disse que não tem certeza. “Eles o odiavam muito, mas não sei de teriam coragem de matar”, disse.

Fonte: Brazilian Times