Publicado em 23/10/2015 as 12:00am

Suspeito de matar brasileiro em Minas é preso

Márcio Monteiro Marinho, residia em Massachusetts, e estava de férias no Brasil

Da redação

Depois de uma intensa investigação, a polícia de Governador Valadares (Minas Gerais) apresentou o suspeito de ter assassinado Márcio Monteiro Marinho, 48 anos, que residia em Marlborough (Massachusetts). O crime, segundo o delegado Gean Vitor Fantin, aconteceu no sábado (17), mas o corpo só foi encontrado na segunda-feira (19).

O delegado disse, ainda, que o suspeito confessou o crime e que conheceu a vítima pela internet. “Ele afirmou que os dois mantinham contato via Facebook”, acrescentou. O suspeito Roberto Almeida, 22 anos, alegou aos investigadores que se encontrou com a vítima algumas vezes e todos os encontros eram “regados a muita bebida alcóolica e cocaína”.

Ainda segundo o delegado, o suspeito disse que era Márcio quem comprava as bebidas e a droga. “O desentendimento, segundo ele (suspeito), aconteceu porque a vítima queria manter relação homossexual com o acusado”, fala. “Com isso, supostamente, gerou uma discussão e Roberto acertou a cabeça dele (vítima) com um machado e em seguida desferiu vários golpes de faca no pescoço”, continuou.

O capitão Thiago Emanuel, da Polícia Militar, disse que um de seus policiais disse que tinha visto o veículo da vítima circulando no bairro Turmalina no domingo. “Diante desta informação, iniciamos um patrulhamento e logramos êxito encontrando Roberto dirigindo o referido automóvel”, disse ressaltando que o suspeito confessou o crime.

Uma irmã de Márcio entrou em contato com a redação do Brazilian Times e afirmou que a história contada pelo suspeito “é mentira” e que ele estaria sendo instruído pelo advogado. “Eu tenho certeza, conhecia meu irmão e sei da índole e do caráter dele”, disse.

 

REBATENDO

Em relação à notícia publicada pelo BT, na quarta-feira (21), a irmã questionou alguns pontos e disse que seu irmão jamais tratou as pessoas de forma desumana. “Ele era sempre amável e nunca humilhou ninguém e não tinha inimigos. As pessoas que falaram isso para o jornal de que ele humilhava os funcionários, deve ser trabalhador que não queria nada com nada”, acrescentou.

Ela disse ainda, que sua mãe nunca morou nos Estados Unidos, apesar de confirmar que ela morreu neste país e foi levada para ser sepultada no Brasil. “Meu irmão era uma pessoa boa e não merecia morrer desta forma”, finalizou.

Fonte: Brazilian Times