Publicado em 30/10/2015 as 12:00am

Brasileira com 5 tumores no pulmão pede ajuda em Massachusetts

Regina Nunes é uma cabeleireira conhecida na região de Somerville e luta contra a doença há três anos

Luciano Sodré

Na noite de segunda-feira (26), mais de 200 pessoas participaram de um Jantar Beneficente realizado no Oliveiras de Everett (Massachusetts). O objetivo era arrecadar dinheiro para ajudar no tratamento da cabeleireira Regina Nunes, que luta há três anos contra o Câncer. O evento, organizado por Pedro Pretto e apoio do empresário e proprietário do local Wilton Rangel, superou as expectativas de todos.

Em conversa com o Brazilian Times, Pedro explicou que, semanalmente, realiza um evento chamado “Cozinhando com os Amigos”, onde as pessoas se reúnem para cozinhar. Segundo ele, a ideia do jantar beneficente surgiu uma semana antes, quando ele ficou sabendo da história de Regina. “Eu procurei o Wilton e ele imediatamente se prontificou a doar toda a comida necessária para a noite”, fala ressaltando que o empresário se mostrou muito solícito e humano ao se colocar a disposição para ajudar em mais coisas.

Wilton, além de doar a comida do jantar, cedeu todo do dinheiro arrecadado para o tratamento de Regina. Aproximadamente 200 pessoas que foram ao local para ajudar e durante o jantar houve sorteios de vários brindes doados por empresas que também se prontificaram a ajudar.

O Brazilian Times conversou com Daniella Nunes, filha de Regina. Elas moram em Somerville (Massachusetts). A jovem relatou que a mãe foi diagnostica há três anos com um câncer de mama raríssimo chamado Triplo Negativo, um tumor agressivo quando comparado a outros cancros da mama que tende a crescer mais rapidamente e é menos provável de ser detectado numa mamografia anual.

Também mais possibilidades de se espalhar para outras partes do corpo mais cedo (metástases) e foi o que aconteceu com Regina. Além disso, parece reincidir (voltar a aparecer) mais frequentemente do que outros subtipos de cancro da mama. Tem geralmente um prognóstico mais reservado do que os cancros da mama que são receptores hormonais positivos. Parte da razão para tal é a falta de tratamentos específicos, direcionados para este tipo de cancro da mama.

Quando Regina soube do diagnóstico, ela iniciou o tratamento, mas a medicação deu reação e ela foi obrigada a retirar a mama esquerda. Após a cirurgia, ela reiniciou o tratamento de quimioterapia e radioterapia, mas novamente ficou ruim e teve que ser internada na CTI, no Cambridge Hospital, em Cambridge.

Após 19 dias de internação, Regina foi para casa e continuou o tratamento, e um ano depois, quase recuperada e pronta para fazer a reestruturação da mama, foi fazer exames e descobriu a metástases e havia cinco nódulos nos pulmões. “Novamente mais tratamentos, cirurgias e  mais cirurgias”, fala a filha ressaltando que a mãe teve duas paradas cardíacas durante este período.

Regina também sentiu uma forte dor de cabeça e foi no Mass General Hospital, onde descobriu que tinha cinco tumores e um já estava em tamanho bastante avançado. Isso prejudicou parcialmente a sua visão e os médicos decidiram fazer mais uma cirurgia de emergência para a retirada do maior.

Após a cirurgia, Regina passou por várias sessões de radioterapia e quimioterapia, e há três meses descobriu que tinha tumores nos pulmões, que começaram a crescer. Depois deste último diagnóstico, a família perdeu as contas de quantas vezes ela precisou ser internada.

Regina é natural de Patos de Minas (Minas Gerais) e mora há 12 anos nos Estados Unidos. Quando chegou, ela trabalhou na área de limpeza de casas, mas logo colocou em prática a sua verdadeira profissão, que é ser cabelereira. Em pouco tempo abriu um salão na região de Somerville e conseguiu uma boa clientela e se tornou conhecida. Atualmente ela está parada, pois precisa se tratar e vencer a doença.

 

SOLIDARIEDADE

A família está atravessando momentos difíceis, pois quando Regina precisa ir para algum tratamento, um dos dois filhos perde um dia de serviço para acompanha-la. Com isso várias dívidas foram se acumulando e agora eles pedem ajuda. O valor arrecadado com o jantar beneficente, de US$3,650, serviu para quitar parte do que já estavam devendo.

Mas eles ainda precisam de ajuda para continuar levando a mãe aos tratamentos e mantendo as contas de casa em dia. Os interessados em colaborar podem entrar em contato com Pedro, através do telefone (617) 459-9172. “Eu prefiro que a pessoa me ligue e eu oriento como enviar um cheque nominal à Regina”, disse ele.

Fonte: Brazilian Times