Publicado em 22/11/2015 as 12:00am

Na cadência verde e amarela: aula de ritmos brasileiros faz sucesso em NY

Com alunos americanos, europeus e até mesmo do Brasil, Marizete Browne ensina forró e samba nos EUA e desperta interesse de estrangeiro pela cultura do país tropical

O destino bateu à porta e transformou radicalmente a vida de Marizete quando ela menos esperava. Ao perder o emprego, a secretária executiva começou a ajudar seu professor de dança a dar aulas. Foram juntos participar de seminários nos Estados Unidos, ele voltou ao Brasil, ela ficou de vez em Nova York.

- O meu professor sugeriu que eu desse aulas desambaeforróaqui em Nova York, garantiu que eu estava capacitada para isso. Comecei com aulas particulares, ainda em 2001, depois passei a dar aulas para grupos. Aos poucos, foram aparecendo alunos de todas as nacionalidades que tinham interesse na nossa cultura - lembra. 

Desde então, americanos, europeus e latinos se interessam pelas aulas por influência de amigos brasileiros, porque gostam da música ou após verem alguémdançar. Nos meses que antecedem o carnaval, a procura aumenta devido à proximidade com viagens às terras tropicais.

- Muitos querem aprender por gostar da nossa cultura. Tive um aluno americano que foi ao Brasil fazer pesquisas, ficou encantado com o samba de gafieira e quis aprender assim que voltou aos Estados Unidos. Aqui se trabalha demais, então eles ficam depressivos. Dançar acaba se tornando uma terapia – observa.

- Eu queria aprender a dançar as músicas que tanto amava. Sou uma grande fã das músicas e dos cantores brasileiros. Então eu sentia o ritmo sem muito problema, mas tenho que admitir que colocar alguns passos do samba de gafieira no ritmo é um desafio - confessa a americana Ariel Lapidus, aprendiz de Marizete desde 2008.

Professora nos EUA há 13 anos, a carioca desmente a crença de que os brasileiros sejam os reis do gingado. Para ela, seus conterrâneos até têm mais ritmo, mas muitos mostram tanta malemolência quanto os estrangeiros.

- Há muitos brasileiros com dificuldade para aprender a dançar. Dizer que o brasileiro aprende mais fácil é mito, muitos têm dificuldade no gingado. É algo relativo, varia de um aluno para o outro. No geral, a maior dificuldade dos americanos é dançar junto, o contato físico muito próximo é difícil pra eles, eles não têm muito a cultura da dança.

- Acho que os brasileiros têm mais gingado do que os americanos e franceses. Eles escutam música brasileira o tempo todo e não têm vergonha de dançar, então praticam muito mais do que nós. No começo, eu achei difícil, eu era muito ruim para seguir o ritmo das músicas e da dança. Demorei a aprender, mas depois não quis mais parar - conta a francesa Veronique Derym, aluna da brasileira que morou em São Paulo por quatro anos.

Os brasileiros também recorrem a Marizete para aprender a dançar. Alguns só aprenderam a sambar depois de irem morar em Nova York. Muitos sequer sabiam da existência do samba de gafieira. 

- Tenho alunos brasileiros que nunca aprenderam a sambar no Brasil e só foram aprender em Nova York. Um deles sempre sonhou em aprender a dançar. Muitos querem aprender porque sentem saudade do Brasil e também para socializar mais com a comunidade brasileira

A carioca também faz das aulas uma maneira de amenizar a falta que sente do país em que nasceu. Casada com um americano apaixonado pelo Brasil, ela não tem planos de voltar a morar em sua terra natal.

- Comecei a dar aulas pela paixão de dançar, mas também é uma maneira de matar a saudade que sinto do Brasil. Além disso, é um prazer poder passar a nossa cultura para os estrangeiros, é muito gostoso ver o interesse deles.

Fonte: Brazilian Times