Publicado em 4/12/2015 as 12:00am

Brasileiro é homenageado como "Embaixador do Futebol" em Massachusetts

Brasileiro é homenageado no sábado, dia 26 de novembro, pelo estado de Massachusetts, como o "Embaixador do Futebol"

Ader Carreiro, mineiro de Tarumirim, chegou à América do Norte há 27 anos. Assim como a maioria, chegou para ficar e para marcar sua geração. Casado com Eliane Carreiro, pai de dois filhos, empresário e um dos mais influentes coachs da região. Ele foi homenageado no sábado, dia 26 de novembro, pelo estado de Massachusetts, como o “Embaixador do Futebol”. Conheça um pouco da história desse “craque da bola”.

BT: Quando começou a sua paixão pelo futebol?

AC: Desde criança adorava jogar bola na rua com meus amigos. No ano de 1974 e 1975 joguei para valer mesmo, no Democrata de Valadares. Infelizmente não tive condições de continuar a carreira.

BT: Aqui no território norte-americano, como foi continuar fazendo o que mais te realizava como pessoa?

AC: Bom, assim que cheguei à América, foi rápida a minha legalização. Naquela época era muito diferente de hoje. Fiz alguns bicos de construção, mas logo depois fui contratado pela companhia United Airlines, para a qual presto serviço até os dias de hoje. E eu nunca deixei de driblar o tempo, para atuar na área do futebol, então comecei a organizar pequenos times e pequenos campeonatos.

BT: Como esses jogadores vinham até você?

AC: No ano de 1994 eu abri minha primeira loja, que se chama Brazilegal e foi meio que estratégico aquele ponto. Nossas reuniões, agendas, quase tudo acontecia na loja e os que já sabiam dessa referência passava para os que estavam chegando.

BT: Você pensava ser um dia treinador de futebol?

AC: Sim. Eu sempre sonhei em manter os ex-jogadores, que assim como eu, foram excelentes profissionais no Brasil ou até mesmo de outros países, mas que por algum motivo não deram continuidade na carreira. E deu tanto certo que até hoje temos jogos de quadra, jogos no campo durante o verão, campeonatos por vários estados, ligas, etc. Eu amo tanto esse esporte que se tornou parte de mim. Quantas noites eu me dediquei e ainda dedico, enquanto minha família dorme eu fico a madrugada toda elaborando planos para nossa seleção entrar em campo e levar a taça (risos). Na verdade acredito que Deus tem me dado esse dom, porque eu sempre visualizo o time vencendo e graças a Ele, vencemos praticamente quase todos campeonatos.

BT: É sabido que você conquistou vários títulos na posição de “coach”. Qual foi o título mais importante na sua trajetória?

AC: Para mim foi o Campeonato das Nações, em 2009, na cidade de Lowel, MA. E o campeonato que mais marcou até hoje, foi o Nacional de Master, em 2010.

BT: Além das homenagens recebidas dentro da comunidade brasileira, existe alguma vinda de outro país?

AC: Existe sim. Eu recebi uma revista diretamente da Itália, com várias páginas falando do meu trabalho. Na época, eu era o “coach” do time italiano Juventos.  

BT: Você tem ideia de quantos títulos conquistados até hoje?

AC: Eu acredito que entre títulos, medalhas e troféus, foram mais de 50.  

BT: Existe algo no meio de comunicação que você usa para manter a comunidade atualizada com o futebol?

AC: Já faz cinco anos que temos o programa “Craques da bola", pelas ondas da rádio 1360 AM (www.radiobttv.com) de segunda a sexta-feira, no horário de 7h às 8h da noite. Já passaram vários craques pelo programa, mas atualmente estamos Adair Bonfim e eu.

BT: É verdade que além de todos os títulos e conquistas, você também foi a motivação maior para alguém da família seguir carreira dentro do futebol?

AC: Com muito orgulho e alegria no coração que falo dessa vitória. Meu filho Jean Carreiro, que está com 21 anos de idade, não poderia ter escolhido uma profissão mais realizadora que essa. Ele está jogando para o time Linense de São Paulo, no Brasil.

BT: Você esperava por esse título de “Embaixador do Futebol” ou foi uma surpresa?

AC: Foi uma surpresa maravilhosa. Eu não sei quantas pessoas já tiveram esse privilegio, mas eu posso te afirmar que até hoje estou como quem sonha. Eu acredito mesmo que, lá no futuro, talvez eu nem esteja mais aqui, alguém irá ouvir falar do meu nome, sobre minha paixão pelo futebol e por tudo que lutei em prol. Eu tenho certeza de que ficarei para sempre na história. Sou muito grato por essa conquista. De verdade, não tenho palavras para expressar o que tudo isso significa para mim. Deus sabe de todas as coisas e eu creio que Ele, de certa forma, decidiu me presentear!

Fonte: Stael DeMelo