Publicado em 16/12/2015 as 12:00am

Brasileira de MA é homenageada em NY

Arlete Falkowski recebe Medalha Machado de Assis

Arlete Falkowski é destaque na comunidade brasileira por ser uma das grandes fomentadoras da cultura do Brasil nos Estados Unidos, principalmente pelos projetos que promovem a língua portuguesa em Massachusetts. Agora este trabalho foi reconhecido e ela recebeu “Medalha do Mérito Machado de Assis”.

A homenagem será entregue pela Biblioteca Brasileira em Nova York (Brazilian Endowment for the Arts – BEA), em comemoração pelos 15 anos de aniversário da mesma. O evento aconteceu nesta terça-feira (15), na sede da biblioteca.

Arlete é gaúcha, nascida na cidade de São Borja, mas viveu a maior parte de sua vida em Porto Alegre. Graduada em Letras - Português, Literatura Brasileira e Espanhola pela Universidade do Rio Grande do Sul e também especialista em Educação e Desenvolvimento Humano.

No Brasil, ela lecionava em escolas públicas e privadas, realizava palestrava pelos estados brasileiros na área de Educação. “Eu prestava minha ajuda como voluntária em escolas públicas com o Projeto chamado Rede Mundial de Solidariedade, de minha autoria”, fala.

Nos EUA, Arlete é Educadora e professora de português para estrangeiros. Seus trabalhos com a comunidade seguem em sequência desde sua chegada ao país.

Para Arlete, “O Movimento Educacionista dos EUA” é uma experiência muito rica e significativa em sua vida de educadora e mãe. “Assumi a coordenação do Movimento Educacionista dos EUA, por acreditar que podemos e devemos mover uma ação em prol de um mundo melhor e que, pela orientação e pelo aspecto educativo, podemos gerar caminhos seguros, independente de onde vivemos. Levantar uma bandeira de conscientização, quanto aos valores de preservação da língua e da cultura brasileira, em terras alheias não é tarefa fácil, porém soubemos criar uma equipe de profissionais especializados em educação e podemos orientar os pais, os educadores e todos que estão interessados em oferecer a seu filho o ensino de português e de sua cultura”, afirma.

Fonte: Redação