Publicado em 28/12/2015 as 12:00am

Casal brasileiro é encontrado morto em Milford (MA)

Amigos se unem para arrecadar dinheiro para o translado dos corpos

Na sexta-feira (25), o mineiro Adair Vieira Sales, 47 anos, e sua companheira, também de Minas gerais, Aparecida Silva foram encontrados mortos em um apartamento na Prospect Heights, em Milford (Massachusetts). As primeiras suspeitas é que o casal tenha morrido envenenado por monóxido de carbono, enquanto dormia. Foi ele quem encontrou Adair e Aparecida, quando retornou para o apartamento por volta das 9:00 p.m. de sexta. “A porta estava aberta e o casal estava sem vida”, relatou.

Segundo as informações, o casal estava junto há 10 anos e na terça-feira (21), Adair já havia sido levado a um hospital com pressão baixa, dor de cabeça e mal estar. Estes sintomas são comuns em quem inala o gás e é envenenado. Na quinta-feira (24), um homem que morava com o casal também se sentiu mal e passou a noite internado.

Os corpos dos dois foram levados para Boston (MA), onde serão analisados e posteriormente liberados para o translado ao Brasil. As autoridades lacraram a casa e ela ficará fechada até terça-feira (29) para a perícia.

Adair era natural de Engenheiro Caldas, e Aparecida de Governador Valadares. A responsável pelo envio é a irmã dele, a qual vive nos EUA há menos de um mês.

Adair chegou aos EUA em 2002, trabalhou em alguns empregos e há nove anos estava fixo na empresa de construção StoneWays Paving. Ele deixa um filho de 22 anos, e a mãe tem 76 anos. Aparecida tinha dois filhos, sendo um de 26 anos e outro de 22, além de um neto.

 

PATRÃO LAMENTA A MORTE

O patrão de Adair, Chris Harper, usou as redes sociais para lamentar a morte do brasileiro, qualificando-o como “o melhor funcionário e um amigo”. Ele disse em sua página no Facebook que ficou chocado e abalado com a notícia de que seu funcionário tinha morrido. “Meu coração está partido neste momento... Que descanse em paz Adair Sales. Tu foste o melhor trabalhador que jamais poderia ter... Você vai fazer uma falta imensamente, amigão”.

SOLIDARIEDADE

Para o translado, os amigos se uniram e junto com a irmã de Adair iniciaram uma campanha e visa arrecadar US$15 mil. Até o fechamento desta edição já havia sido doado pouco mais de US$2,200. Os interessados em colaborar, pode entrar no site https://goo.gl/XVmhRY e fazer uma doação.

A sobrinha de Adair, Ivoni Ferreira, conversou com a redação do Brazilian Times e disse que a morte do casal pegou a todos de surpresa. “Uma coisa é você saber que a pessoa está doente e não tem mais chances, mas eles dormiram bem e no dia seguinte não estavam mais entre nós”, se emociona.

As pessoas que não conseguirem fazer a doação ou quiser entregar o dinheiro pessoalmente, pode entrar em contato com ela através do telefone (857) 540-8957. “O dinheiro arrecadado será utilizado para o translado dos dois corpos” fala ressaltando que pretende enviá-los o mais rápido possível. “Mas para isso dependemos do que for arrecadado”, conclui.

 

Monóxido de Carbono: O gás que mata em silêncio

Inodoro, incolor, insípido e não irritante, o Monóxido de Carbono (CO) é um gás extremamente perigoso, produzido pela combustão incompleta do carvão ou liberado por aparelhos de queima. É, de fato, um gás que mata em silêncio. Por isso, a pessoa que o inala não percebe qualquer anormalidade. Quando a intoxicação chega a um determinado nível pode ocorrer o desmaio e provavelmente ocorrerá a morte.

Podem estar sujeitos a este gás, todas as pessoas que estão em quartos fechados, expostas, durante um certo tempo, às braseiras de carvão, sem as devidas condições de ventilação, ou em banheiros, em que o sistema de aquecimento da água é feito por esquentadores a gás (instalados nas próprias casa de banho).

Os sintomas são: indisposição, náuseas, vertigens, cefaleias intensas, com taquipneia e taquicardo e vasodilatação periférica. Só depois surge a sintomatologia nervosa, embora o doente não tenha consciência do processo de intoxicação que está a sofrer, nem sinta necessidade do oxigênio.

Prostração, sonolência, flacidez muscular, paralisação dos membros torna difícil, e às vezes, difícil mobilização. Por tudo isto, muitas das vezes, as vítimas são encontradas em fase comatosa ou em situação de difícil recuperação.

O Monóxido de Carbono é expelido por queima incompleta de qualquer combustível, tais como o propano, gasolina, querosene, gás natural, fumaça do escapamento de automóvel, fumaça do tabaco, chaminés com defeito, ou bloqueadas, qualquer queima de combustível em um espaço fechado, funcionamento errado de aparelhos a gás, tais como aquecedor e até mesmo fogões a lenha.

Fonte: braziliantimes.com