Publicado em 6/01/2016 as 12:00am

Mais um brasileiro que morou nos EUA morre no Brasil

O rondoniense Robson Alan foi encontrado pendurado em um pé de manga, na cidade de Ariquemes

O rondoniense Robson Alan Lemos Anselmo, 31 anos, morou em Somerville (Massachusetts) entre os anos de 2003 a 2006 e trabalhou na área de construção civil, principalmente na pintura. No início de sexta-feira (1º), ele foi encontrado morto por sua mãe, na cidade de Ariquemes. Segundo as informações, o jovem estava pendurado com uma corda no pescoço, amarrado a um pé de manga.

Antes do ocorrido, o rapaz estava na casa de seu pai e depois foi para a casa de sua mãe, com a qual mora. Quando ela retornou da igreja, encontrou o carro do filho estacionando do lado de fora da residência, com os vidros abertos. A mulher entrou e viu o filho pendurado na árvore.

Ela ficou desesperada, correu e retirou o filho. Em seguida acionou a equipe do Corpo de Bombeiros e o SAMU. Mas nada pode ser feito, pois o rapaz já estava morto. O local foi isolado pela polícia militar e agentes da perícia técnica realizam exames e liberaram o corpo para o IML.

Durante o tempo em que morou nos Estados Unidos, Robson sempre comentava com os amigos que queria voltar logo ao Brasil para ficar perto da esposa e do filho. Mas há cerca de um ano eles estavam separados e o suicídio aconteceu um dia após ela se casar com outro homem.

Em um desabafo emocionado, a irmã de Robson, Silvana Lemos, agradeceu a todos os que enviaram mensagens e se solidarizaram com a dor da família. “A dor é inexplicável, e cada hora aumenta mais, é uma retrospectiva dolorosa de uma vida inteira ao lado do meu irmão, e sempre pensando no porquê de tudo isso, das atitudes que poderiam ter tido para evitar essa tragédia, surge muita culpa, porque nós estávamos próximos e poderíamos ter feito alguma coisa, mas ao mesmo tempo lembro que tentamos ajudá-lo.

A lição maior de tudo, é que devemos todos os dias demonstrar o amor que sentimos pelo próximo, porque depois pode ser tarde. Eu me arrependo amargamente por não ter feito isso antes, a gente não tem consciência de que estamos sujeitos a todo tipo de tragédia em nossas vidas. Sei que como eu, muitas famílias estão sofrendo pela perca de alguém, e que minha dor não é maior, mas algumas coisas podem ser evitadas. Meu irmão não quis ajuda, prestem mais atenção nas pessoas que sofrem de depressão. Ela se manifesta de diversas maneiras e as vezes é difícil identificar.

Meu irmão, por exemplo, era super extrovertido com os amigos, parentes, mas dentro de casa ele era bastante fechado e calado. Essa doença é terrível. Nunca imaginei que poderia acontecer do meu lado. Ele era bom, uma pessoa de um coração enorme, sei que Deus é misericordioso e o conhece muito melhor do que nós. Sei que vou te encontrar de novo, se eu buscar ser a melhor pessoa nesse mundo. Te amo pra sempre”, disse em sua página no Facebook.

Fonte: braziliantimes.com