Publicado em 13/01/2016 as 12:00am

$1,3 bilhão na loteria: Prêmio bilionário instiga brasileiros em Massachusetts

O Brazilian Times conversou com algumas pessoas que fizeram suas apostas e procurou saber o que fariam com tanto dinheiro

O bilionário prêmio que será sorteado na noite desta quarta-feira (13) pelo Power Ball fez com que milhões de pessoas procurassem casas de apostas para fazer a tradicional “fezinha”. Na comunidade brasileira também não foi diferente e milhares resolveram apostar seus números em busca do maior valor já pago até hoje em loterias nos Estados Unidos.

O Brazilian Times conversou com algumas pessoas que fizeram suas apostas e procurou saber o que fariam com tanto dinheiro. Os sonhos e projetos não foram tão grandes e entre eles, estão cirurgias plásticas, melhorar a vida dos familiares, viagens pelo mundo e outros. Mas e você, já pensou o que faria com um prêmio de mais de um bilhão de dólares?

A empresária Ronny de Lima, de Lexington (MA), disse que aposto nas loterias e que desta vez viu muitas pessoas nas casas de apostas que nunca jogaram na vida. “Amigos próximos decidiram fazer uma fezinha em razão do alto valor do prêmio”, disse. Bem humorada, ela fala que possui uma enorme lista de coisas que vai fazer caso seja a premiada.

Mas as primeiras coisas será cuidar de sua família. Nos planos de Ronny estar dar uma casa para cada um dos três filhos, além de uma soma em dinheiro para os quatro irmãos. “Primeiro quero que todos se livrem das dívidas para pensarmos com a cabeça mais tranquila”, acrescenta.

Outro plano de Ronny é comprar um trailer (casa sobre rodas) para o seu pai. “Este é um dos grandes sonhos dele e queria muito realizar”, explica. Ainda nos planos familiares, ela faria uma viagem até à Disney com suas duas netas, Makayla e Natalie.

Em relação ao lado social, Ronny destinaria parte do dinheiro para ajudar a “Casa dos Velhinhos” e a “Cidade dos Meninos”, projetos com sede na cidade de Governador Valadares (Minas Gerais). “Acho que temos que ajudar sempre, com dinheiro ou sem”, afirma.

A empresária da área de designer gráfico, Joana Ferreira Lima, 25 anos, disse que não aposta com frequência, mas que desta vez o prêmio bilionário mexeu com seus sonhos. “Mesmo não tendo a certeza de que seremos nós os ganhadores, sempre é bom sonhar e muitos fazem seus planos”, afirma.

Ela, que mora em Peabody (MA), disse que se ganhasse a bolada, uma das coisas que faria seria abrir um espaço para o seu negócio e compraria as máquinas necessárias para crescer. “O valor que eu preciso para o maquinário seria de $10,000, portanto sobraria muito ainda para sonhar e planejar”, continua ressaltando que isso seria sua primeira ação.

Depois, ela compraria várias casas para entrar o ramo imobiliário e ganhar dinheiro com alugueis e pensara em uma maneira de ajudar outras pessoas, além dos membros de sua família. “Acho que é uma quantia muito alta para ficar apenas com um ganhador. Quem vencer, poderia pensar em ajudar o próximo”, finaliza.

O produtor de eventos Max William, de Boston, também é um dos brasileiros que decidiu apostar na sorte e explica que o prêmio que o motivou a jogar. Ele disse que é difícil fazer planos diante de um valor tão alto como o deste sorteio. “Não há como ter uma resposta certa, pois são tantas coisas que se podem fazer com esta grana que não saberemos por onde começar”, afirma.

Mesmo assim ele se arrisca a sonhar e diz que parte do dinheiro seria destinada para investimentos que lhe trouxessem mais retorno financeiro no futuro. “Uma porcentagem significativa, tanto do prêmio quanto dos rendimentos, será destinada a projetos sociais e educativos para que possa oferecer oportunidades a pessoas menos favorecidas”, acrescenta.

Mas como todo brasileiro, ele não deixa de sonhar com momentos de descanso e nos seus planos estão muitas viagens pelo mundo, “com direito a praia, sol e muito ‘relax time’".

O ativista político, Júlio Morais, que mora em Everett (MA), disse que não costuma jogar, mas é mais um dos brasileiros que foi motivado pelo valor bilionário do prêmio. Mas a primeira coisa que ele revelou para a redação do jornal é que se caso ganhasse, ficaria no anonimato. “Contrataria uma pessoa ou mais provavelmente um grupo para administrar a fortuna”, explica.

Mas o principal para ele, seria o de criar uma instituição global para ajudar as pessoas. “Trabalharia como um voluntário, viajaria o mundo conhecendo outras culturas e ao mesmo tempo ajudando o próximo”, disse. “Mas quem ganhar deve pensar bem, pois tanto dinheiro pode virar a cabeça de qualquer um e deixar uma pessoa louca”, continua.

Antes de terminar a entrevista, ele acrescentou que seu pai usaria o dinheiro para comprar uma ilha, mais provável Cuba, onde teria só churrasco, futebol e cerveja (risos).

Robson Lemos, ator e diretor de teatro, também apostou na sorte e ressaltou que este prêmio está mexendo com o sonho de muitas pessoas. Em seus planos, a primeira ação seria investirem sua carreira artística e depois investiria pesado na área social. “Minha vontade é criar uma organização enorme no Brasil e ajudar quem realmente precisa”, fala.

O ator, que mora em Lowell (MA), ressalta que destinaria parte do dinheiro para ajudar crianças, adolescentes, idosos, negros e índios. “Gastaria dinheiro para melhorara saúde no Brasil e acabar com a violência, além de projetos para o meio ambiente”, disse.

A enfermeira Irenilda Alvernaz, que mora em Framingham (MA), disse que costuma apostar e no último sorteio também tentou a sorte. Ela fala que jogou mais de 60 números, mas não ganhou nada. “Mas isso não emotivo para deixar de acreditar, pois só ganha quem joga”, fala.

Desta vez, ela pretende gastar $20 dólares, o que dá 10 jogos. “Vou apostar sozinha, mas os meus colegas de trabalho também apostarão. Todos sonham com uma bolada desta”, acrescenta já fazendo planos para o prêmio.

Irenilda fala que a primeira coisa que faria seria resolver a sua vida, tais como comprar uma casa, carro e outras coisas, além desse tornar independente financeiramente. Depois, ela vai continuar fazendo o que tem feito com frequência, que é ajudar pessoas no Brasil com doações de cestas básicas. “Se hoje não tenho nada e ajuda, imagina com este dinheiro todo”, continua.

Mas um dos seus planos que arrancou risos durante a entrevista foi o de fazer uma cirurgia plástica. “Eu arrancaria toda a banha que tenho e gastaria dinheiro para virar uma Barbie”, finaliza.

Fonte: braziliantimes.com