Publicado em 20/01/2016 as 12:00am

BATIDAS CONTINUAM

Imigrante, pai de cidadãos dos EUA, é deportado

Isidro Macario chegou ao Aeroporto Internacional Logan, em Boston (Massachusetts), antes do amanhecer de terça-feira da semana passada com uma passagem só de ida para a Guatemala e esperançoso por uma última chance.

Um imigrante de 48 anos de idade, trabalhador da área de landscape estava ao lado de sua esposa, que levou uma Bíblia, e os quatro filhos, três deles cidadãos norte-americanos. Ele viveu por aproximadamente 25 anos nos Estados Unidos.

O imigrante tinha uma ordem de deportação datada de 1995, a qual recebeu depois se ser preso dirigindo embriagado. Depois das ações do Presidente Barack Obama em tentar evitar as deportações de pais de cidadãos norte-americanos, ele sentiu esperanças de que conseguiria permanecer legal.

Mas não conseguiu e foi mais uma vítima das batidas promovidas pelos agentes de imigração desde o início do ano. No aeroporto, os oficiais o esperavam se despedir da família para encaminhá-lo ao avião. “O que vou fazer”, ele indaga, emocionado e em espanhol.

A prisão desmente as autoridades e alguns veículos de comunicação que afirmaram que não houve detenções em New England, baseadas nas recentes batidas da Imigração. Esta separação de Macario de sai família prova que as ações continuam, e até mesmo imigrantes com ordem de deportação de datas anteriores a citada pelas autoridades.

No ano fiscal de 2015, o US Immigration and Customs Enforcement (ICE) foi responsável pela detenção e deportação de 235,413 imigrantes. No ante anterior este número foi de 315.943. a agência informou que a maioria das pessoas removidas havia sido condenadas por algum crime. O caso de Macario mostra uma controvérsia nestes dados, por ele cometeu apenas uma contravenção.

Patricia Sobalvaro, diretora-executiva da ALPHA, uma organização sem fins lucrativos de Boston, disse que neste caso trata-se de um pai, um trabalhador humilde que tem princípios religiosos. “Ele não representa perigo algum para a sociedade”, disse.

Mas as autoridades afirmam que o imigrante se encaixa perfeitamente nos critérios adotados pelo Governo ao determinar quem deve entrar em deportação. “Ele está na lista de prioridade, tal como foi definido pela ação executiva emitida em 20 de novembro de 2014, na qual ele se qualifica como um imigrante condenado por um delito significativo”, disse Shaw Neudauer, porta-voz do ICE.

Sob os critérios das autoridades, um imigrante deve ser colocado em deportação se for condenado por dirigir embriagado, pois trata-se de um crime que pode terminar em morte de terceiros. “A realidade é que maioria dos americanos espera que as leis sejam aplicadas, o que favorece um controle mais rigoroso das leis de imigração”, disse Jessica Vaughan, diretora de estudos políticos do Center For Immigration Studies. “No caso de Macário, as opções se esgotaram se e ele não se qualifica para ficar. Simples assim”, continua.

O imigrante se mudou para os EUA quando a Guatemala passava por um período crítico de repressão e muitas pessoas foram sequestradas e mortas, incluindo o pai dele. Aos 11 anos de idade, tornou-se o chefe da casa. Com o passar dos anos e com medo, aos 23 anos, ele decidiu sair do seu país.

Até minutos antes do embarque, Macario e sua família esperavam por um indulto, o que não aconteceu.

 

Fonte: braziliantimes.com