Publicado em 20/01/2016 as 12:00am

Legisladores aprovam anti-imigrante na Florida

Deputados querem punir órgãos públicos e a polícia que não ajudar a prender imigrantes com ordem de deportação

Os Republicanos da Câmara Legislativa deram sinais de que há uma divisão entre as opiniões em relação à imigração ilegal. Nesta quarta-feira passada, dia 13, os legisladores votaram e aprovaram por unanimidade um projeto de lei que permite ao governo federal liberar dinheiro para fornecer seguro de saúde para 45 mil crianças imigrantes indocumentadas. No mesmo período, duas outras comissões aprovaram medidas para reprimir imigrantes que vivem ilegalmente no estado.

Trabalhadores rurais e domésticos de Homestead à Tampo foram ao Comitê de Justiça Civil da Câmara para protestar contra os legisladores a rejeitar o HB-675, patrocinado pelo deputado Larry Metz (R-Yalaha). No documento, ele pede para impor penalidades de até US%5 mil por dia à polícia, escolas e outros locais do Governo que não ajudarem a deter imigrantes que enfrentam ordem de deportação.

Depois deste protesto, os manifestantes lotaram a Casa de Justiça do Subcomitê de Dotações e se opuseram conta o HB-9, do Deputado Carlo Trujillo (R-Miami). Este projeto torna crime o fato das pessoas desafiarem ordens federais, tais como ordem de deportação.

Apesar dos protestos e apelos fervorosos das crianças e idosos, as duas comissões aprovaram os projetos.

O grupo alertou que estas medidas prejudicarão a capacidade de aplicação da lei no que diz respeito ganhar a confiança das comunidades imigrantes, além de dividir desnecessariamente as famílias e gerar um enorme custo aos cofres públicos das cidades.

Gaby Garcia-Vera, do Florida Latina Advocacy Networkem, em Miami, passou quase uma hora traduzindo o testemunho de muitos dos trabalhadores e membros das famílias que foram à audiência. "Esta é a minha família", disse. "Isto é o que Florida parece quando você investe em pessoas e diz que têm dignidade. Esperamos que vocês fiquem do nosso lado e lutem contra os atos que estão separam e criminalizando nossas famílias e procuram destruir as comunidades que ajudamos a construir", continuou.

Pamela Gomez, do Flórida Immigrant Coalition, em Tampa, disse que, embora ela é uma cidadã dos EUA que veio da República Dominicana, os membros de sua família estão em situação irregular e vivem em constante medo de serem detidos ou deportados. "Eu temo pelos meus pais. Eu temo pelos meus irmãos, minhas irmãs e todos meus entes”, afirmou.

Jà o deputado disse que apesar do seu projeto mexer com a emoção das pessoas, o objetivo único é fortalecer a aplicação da lei. "As pessoas estão entrando em nosso país e ficando ilegais. Quando elas entram em nosso estado, elas devem saber que aqui aplicamos a lei”, acrescentou. Para justificar sua atitude, ele citou o assassinato de Kathryn Steinle, 32 anos, a qual foi vítima de um imigrante que tinha sido deportado cinco vezes. "Isso nunca deveria acontecer e a intenção deste projeto de lei é certificar de que nunca acontecerá na Flórida", disse.

Tomas Kennedy, 24, de Miami, à esquerda, posa com sua mãe, Maria Bilbao, um imigrante indocumentado da Argentina, durante um protesto

 

Fonte: braziliantimes.com