Publicado em 26/01/2016 as 12:00am

Robert Kleinman: "Não há esquemas; não há conspiração. As alegações de Josélio não são acuradas"

"Não existe nenhum golpe, nenhuma conspiração. O que está acontecendo é uma disputa comercial", afirma Robert.

O advogado norte-americano Robert Kleinman em entrevista ao BT-Florida rebate as alegações do empresário paraibano Joselio Pontes de um suposto golpe: "Não existe nenhum golpe, nenhuma conspiração. O que está acontecendo é uma disputa comercial", afirma Robert.

Em reportagem da edição anterior do Brazilian Times – FL o empresário Josélio Pontes, 46 anos, alegava ser vítima de um golpe ao comprar uma empresa de um outro brasileiro.  Através da mesma empresa, Josélio deu entrada em um processo de L1-A, que foi posteriormente negado pelo departamento de imigração por não preencher os requerimentos necessários. Na citada matéria, Josélio acusa o vendedor do business de tentar aplicar-lhe um golpe, e o nome do paralegal Sergio Munguba é citado pelo paraibano.

“Ficamos muito aborrecidos e surpresos de ver nosso nome relacionado a um suposto esquema; um suposto golpe. A reportagem do jornal BT falhou em não nos contactar para ouvir o outro lado da história. O artigo faz parecer que fazemos parte de algum esquema suspeito. Não existe nenhum golpe, nenhuma conspiração", destaca o destaca o advogado Robert Kleinman, do escritório de advocacia Robert S. Kleinman P.A., onde atua o paralegal Sergio Munguba. Ele reitera que as duas partes estão em disputa comercial, com acusações de ambos os lados do não cumprimento do contrato.

"Mas nosso escritório não teve qualquer envolvimento na transação comercial realizada entre as partes”, afirma.

O advogado se refere ao contratato de compra e venda entre as duas partes preparado em outro local. “O Sr. Joselio nos entregou o contrato assinado e a transação efetuada. O senhor Joselio Pontes nos procurou para dar entrada apenas no processo de L-1, o que fizemos. E fizemos sempre o melhor por ele”, destaca Robert.

Ele afirma também que não é verdade que o processo tenha sido negado pelo Departamento de Imigração por conter falhas como alega Joselio, mas sim por “não ficar demonstrado que ele exerceria a posição gerencial, o que poderia ser refutado uma vez que ele contratou 5 funcionários”.

 “Nós avisamos para ele que a negativa não significava o fim do projeto dele. Que ele poderia esperar e dar entrada no processo novamente, sem custos extras, com a mesma empresa ou outra, uma vez que havia a disputa comercial envolvendo a empresa atual” explica Sergio Munguba.

 

Sobre a alegação de Josélio de que a outra parte ameaçou cancelar o processo imigratório, Dr. Robert diz que em nenhum momento houve qualquer movimento do seu escritório para cancelar o processo, e que nenhuma pessoa que nao fosse o cliente teria influencia no processo legal.

 

Reputação

“Mais uma vez repetimos: o jornal falhou em dar credibilidade as palavras do sr. Joselio sem nos escutar. Temos uma reputação excelente no mercado, com 37 anos de prática profissional. Somente neste escritório atuamos há 30 anos. Temos uma reputação solida e confiável. Nunca fizemos ou faríamos parte de qualquer esquema para prejudicar nossos clientes”, diz o advogado.

Dr. Robert também destaca a conduta de Sergio Munguba, paralegal há 12 anos atuando na comunidade e que trabalha em seu escritório ha 6 anos com milhares de processos aprovados.

Fonte: Vanuza Ramos